Zika sobrevive por oito horas em determinadas superfícies

“...e pestes...” Mateus 24:7

15 de novembro de 2016.

 

Estudo revela que vírus sobrevive fora do organismo e continua altamente contagioso. Descoberta mostra que zika pode ser transmitido por agulhas e pelo contato com cortes abertos na pele.

O vírus zika pode sobreviver por até oito horas fora do organismo, revelou um estudo divulgado nesta terça-feira (15/11) pela Associação Americana de Cientistas Farmacêuticos (AAPS). Dessa maneira, pesquisadores afirmaram que o agente infeccioso pode ser transmitido pelo ambiente, por exemplo, por agulhas contaminadas ou pelo contato do vírus com cortes abertos na pele.

Segundo os pesquisadores, o vírus permanece altamente contagioso no ambiente por oito horas e sobrevive em superfícies duras e não porosas. Porém, desinfetantes comuns seriam extremamente eficazes para matá-lo. "O zika pode sobreviver em superfícies duras e não porosas por até oito horas e, possivelmente, mais se o ambiente tiver sangue.

A notícia boa é que desinfetantes comuns, como o álcool isopropílico, são eficazes para matar o vírus nesse tipo de ambiente e em apenas 15 segundos", disse o autor do estudo, Steve Zhou, diretor de virologia e biologia molecular nos Laboratórios Microbac, em Pittsburgh. O estudo mostrou ainda que a água sanitária e o ácido paracético também são eficazes para eliminar o zika.

No entanto, quando o vírus está em contato com sangue, as duas substâncias perdem esse efeito. O pesquisador destacou que a descoberta é importante para pesquisadores e profissionais de saúde Até o momento, foi registrado apenas um caso de zika transmitido em laboratório de coleta de sangue, afirmou o estudo. O vírus é transmitido principalmente pela picada do mosquito Aedes aegypti ou por relação sexual.

O zika é associado a casos de microcefalia em recém-nascidos. No Brasil, mais de 1,8 mil casos da má-formação cerebral em bebês estão relacionados ao vírus. O país foi o mais afetado pelo recente surto de zika. A doença se espalhou pela América Latina e recentemente chegou ao Sudeste Asiático. 

Fonte: DW

voltar para Pestes

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||