Colômbia detecta 2º surto de febre aftosa em menos de 20 dias

“...e pestes...” Mateus 24:7

10 de julho de 2017.

 

Colômbia detectou outro surto de febre aftosa quase 20 dias depois de reportarem um primeiro foco desta doença que atinge o gado, e da qual o país foi declarado livre em 2009, informaram as autoridades nesta segunda-feira.

O novo foco deste vírus altamente contagioso foi localizado no município de Yacopí, em Cudinamarca, onde registraram 134 animais doentes, indicou o Instituto Colombiano Agropecuário (ICA) em um comunicado.

Em 23 de junho, o organismo reportou animais com febre aftosa em Tame, no departamento de Arauca (fronteira com a Venezuela), mas nesta segunda o ICA “declarou oficialmente o fim” deste surto.

“Conseguimos resolver o foco de [febre] aftosa em Tame e estamos satisfeitos com o trabalho feito, o qual nos permitiu conter a doença sem encontrar mais focos por enquanto, depois da revisão de mais de 9.000 animais”, disse o gerente-geral da ICA, Luis Martínez.

No entanto, o ICA declarou “quarentena sanitária” por um mês em Yacopí.

Além disso, como forma de prevenção, declarou quarentena em mais quatro municípios de Cundinamarca e outras localidades no departamento de Caldas, Boyacá, Antioquia e Santander “a fim de fazer a vigilância ativa e erradicar a enfermidade”.

“Não sabemos se um surto tem relação com o outro surto […]. Estamos convencidos de que a origem da cepa do vírus é o país vizinho, a Venezuela”, disse à imprensa o ministro da Agricultura, Aurelio Iragorri.

Citado no comunicado, o ministro fez um chamado “aos pecuaristas e à indústria da carne” para trabalhar em conjunto “com o objetivo de levar à frente todas as medidas sanitárias que conduzam à erradicação da [febre] aftosa em Yacopí”.

Segundo as autoridades, a febre aftosa, cujo primeiro caso na Colômbia se remonta a 1950 proveniente da Venezuela, não afeta a saúde dos humanos e, por isso, o consumo de carne ou leite não representa nenhum risco.

Este vírus atinge somente bovinos, suínos, ovinos, caprinos e outras espécies, explicou o ICA.

Fonte: AFP

voltar para Pestes

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||