Uma cativa do boko haram encontra amor em Jesus

"Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

08 de março de 2019.

A jovem Esther, agora com 20 anos, é de Gwoza, estado de Borno, na Nigéria. Ela foi sequestrada pelo Boko Haram em 2014 e ficou cativa por mais de três anos. Durante o tempo no cativeiro, passou por experiências traumáticas, como abuso sexual e ver pessoas serem mortas. Ela conseguiu escapar e, depois de três dias, foi encontrada por forças do exército. Mas isso não trouxe a liberdade que ela esperava, pois ela foi mantida em uma condição de “semi-prisão” até que um médico cristão conseguiu conectá-la com sua família. Em um recente evento de aconselhamento pós-trauma, pudemos ouvir Esther e entender melhor como tudo realmente aconteceu.

Como o Boko Haram estava atacando vilarejos vizinhos, os moradores de Gwoza dormiam em cavernas e só iam em casa para cozinhar. Esther estava doente e com febre. Certo dia, se sentindo um pouco melhor, decidiu ir ao vilarejo para pegar comida em casa. Mas quando chegou ao engenho, a febre começou a voltar, ela ficou com tontura e dormiu ali mesmo onde estava. “Eu sonhei que ouvia tiros em todos os lugares, mas quando abri os olhos, percebi que era real. Vi pessoas correndo. Eu mal consegui levantar e tentei fugir também, mas tropeçava toda hora, pois estava muito fraca. As balas voavam em todas as direções e quando algumas atingiram o solo na minha frente, eu me abaixei e deitei no chão”, relembra. Esther foi capturada junto com outras mulheres. Os agressores separaram as muçulmanas das cristãs e começaram a andar em direção à floresta de Sambisa.

Escrava e “esposa" do Boko Haram

Todas as mulheres foram colocadas em fila e divididas entre os homens para serem suas esposas. As que se recusassem seriam vendidas como escravas. “Eu não queria casar e achei que seria melhor ser escrava. Então me colocaram em um carro e me levaram à casa de um dos líderes do grupo para trabalhar para ele, suas quatro esposas e filhos. Eu lavava as roupas e a louça, cozinhava, fazia tudo”, relembra a jovem.

Mas as esposas do líder começaram a ficar com ciúme de Esther por ela ser jovem e bonita. A solução encontrada foi casá-la com outro líder que já tinha outras três mulheres. Devido ao abuso sexual e intimidação que enfrentava, Esther teve crises de fé e de auto aversão. Ela explica: “A cada dia que passava, eu me odiava mais e mais. Eu sentia que Deus tinha me abandonado e estava brava com Deus, mas não conseguia negá-lo. Então começava a lembrar suas promessas de nunca me deixar”.

Em 2015, os conflitos entre facções do Boko Haram se intensificaram e o “marido” de Esther, que era um dos líderes do grupo, decidiu ficar com o Estado Islâmico da Província do Oeste da África e foi para Camarões, levando suas quatro mulheres. Mas acabou sendo morto nos conflitos. As quatro mulheres, então, decidiram fugir juntas. “Caminhamos na floresta por três dias sem comida, água nem calçados. Estava chovendo e a água chegava aos nossos joelhos. Eu estava grávida de sete meses”, conta Esther.

Foi aí que foram encontradas por oficiais do exército e enviadas para um quartel em Maiduguri. Mas foi outro “inferno na terra” para Esther, pois os que escaparam ou foram resgatados eram tratados como colaboradores dos terroristas ao invés de sobreviventes. “Havia cerca de 500 mulheres em um cômodo. Eu era a única cristã, todas as outras eram ‘mulheres do Boko Haram’. Não tinha espaço para deitar, tínhamos que dormir em pé. O banheiro era imundo. E nos trancaram lá, era como uma prisão. Eu fiquei muito doente e comecei a expelir sangue pela boca, nariz e ouvidos, até que desmaiei e fui levada ao hospital do quartel”, explica. Lá havia um médico cristão que Deus usou para mudar as circunstâncias de Esther, pois pelo nome ele reconheceu que ela era cristã e ele conhecia o avô dela que morava em Maiduguri. Assim, ela foi reunida à sua família.

Volta para casa

No começo, os avós de Esther estavam felizes por tê-la de volta, mas depois as fofocas dos vizinhos fizeram com que eles mudassem de ideia. No fim, ela foi apoiada pelo avô, mas não pela avó. Ela foi ajudada pela irmã e pela igreja. Mas a comunidade em Maiduguri continuava a menosprezá-la e dizer palavras cruéis em relação ao bebê, sua filhinha Rebecca.

Desde então, Esther tem participado de aconselhamentos pós-trauma realizados pela Portas Abertas, o que a tem ajudado a lidar com sua situação. Ela diz: “Mesmo que eles zombem da minha filha, eu não sinto mais dor, porque sei que não é isso que meu bebê é”. Ao zombar de Rebecca, os vizinhos se referem a ela como “bebê do Boko Haram”. Esther também agradece porque pediu orações e conseguiu passar em seus exames finais na escola.

Apesar dos problemas que ainda enfrenta – por exemplo, quando Rebecca fica doente e não há ninguém para ajudar –, Esther se sente amada por Deus. “Eu sei que Deus me ama e não consigo descrever todas as coisas boas que ele fez por mim. Ele me ama tanto que sinto como se fosse a pessoa que Deus mais ama no mundo! Obrigada por esse programa. Se eu não tivesse participado, acho que teria sérios problemas de saúde. Não tenho palavras para agradecer. Quero que todos saibam que as mulheres daqui precisam de aconselhamento pós-trauma. E os que têm recursos podem ajudar para que muitas outras mulheres sejam ajudadas”, conclui Esther.

Fonte: Porta Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||