Um dia triste para os cristãos em Jacarta

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

20 de abril de 2017.

 

Após a notícia da perda nas eleições, Ahok foi surpreendido com a sequência alterada do seu julgamento de blasfêmia

O ex-governador de Jacarta, conhecido como “Ahok” e seus partidários lamentaram a perda nas eleições do segundo turno de ontem. E, hoje, seu julgamento de blasfêmia já teve sequência com o promotor do caso exigindo uma sentença de um ano de prisão e dois de liberdade condicional. O que surpreendeu os advogados de defesa de Ahok é que o promotor não usou a acusação original de acordo com o Código Penal 156, por blasfêmia, em vez disso, agora ele é acusado por “expressar sentimentos hostis ou ódio contra um grupo específico”.

No caso dele, o grupo referido seria composto por seus adversários políticos. Mas Ahok se mostrou tranquilo em relação aos últimos acontecimentos. “Deus é quem dá autoridade a alguém e somente ele pode retirá-la. Ninguém governa sem a permissão de Deus. Em 2007, perdi as eleições para governador, mas venci em 2014. Então não fiquem tristes, Deus sabe o que é melhor”, disse ele aos seus apoiadores através de uma coletiva de imprensa.

Para muitos, essas eleições foram um teste de tolerância religiosa na Indonésia, o país muçulmano mais populoso do mundo, onde os conservadores se agitaram e os partidários islâmicos foram inspirados a protestar usando de rigor religioso. O país atualmente ocupa o 46º lugar na Lista Mundial da Perseguição, onde a igreja tem se preocupado com o destino da ideologia islâmica e com a perseguição aos cristãos em nível nacional. Ore pela igreja na Indonésia.

Fonte: Portas Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||