Tanzânia considera estabelecer tribunais islâmicos

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

08 de abril de 2015.

 

A Tanzânia irá rever a sua decisão de tentar introduzir tribunais "Kadhi" (islâmicos) em seu sistema jurídico, segundo anunciou o primeiro-ministro em 31 de março depois de discussões no Parlamento

Tribunais "Kadhi" permitiriam que muçulmanos impusessem o casamento, divórcio, herança e direitos familiares em suas comunidades de acordo com a crença islâmica, e seus vereditos seriam reconhecidos oficialmente pelos tribunais do país. 

O presidente da Tanzânia, o muçulmano Jakaya Kikwete, disse que os tribunais "Kadhi" iriam julgar apenas questões islâmicas específicas; não receberiam nenhum financiamento do Estado; e os tribunais seculares permaneceriam superiores a eles. No entanto, alguns líderes cristãos dizem que tal medida prejudicaria o estado secular do país.

As tensões entre muçulmanos e cristãos têm aumentado frente a um referendo constitucional previsto para o final de abril, disse Kikwete, que alertou contra a intervenção de líderes religiosos na política, dizendo que isto poderia estimular a violência. 

A população da Tanzânia é de 45 milhões, dividida igualmente entre muçulmanos e cristãos. O país está na 33ª posição da Classificação da Perseguição Religiosa.

Fonte: Portas Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||