Somália proíbe celebrações de Natal e Ano Novo

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

24 de dezembro de 2015.

 

O governo da Somália proibiu nesta terça-feira as celebrações de Natal e Ano Novo no país de maioria muçulmana, explicando que as comemorações poderiam provocar ataques dos islâmicos shebab.

"Todos os eventos relacionados com as celebrações das festas de Natal e Ano Novo são contrários à cultura islâmica e poderiam prejudicar a fé da comunidade muçulmana", explicou à imprensa Sheikh Mohamed Khayrow, diretor-geral do ministério de Assuntos Religiosos.

"Não se deve realizar qualquer atividade", declarou Khayrow, precisando que as forças da ordem estão orientadas a impedir qualquer celebração deste tipo.

Sheikh Bur Barud Gurhan, do Conselho Religioso Supremo da Somália, explicou que as festas não muçulmanas podem provocar a ira dos shebab, ligados à rede Al-Qaeda.

"Fazemos uma advertência contra as celebrações destas festas que não têm relação com os princípios da nossa religião", acrescentou Gurhan, assinalando que isto poderia incitar os shebab "a perpetrar ataques".

No ano passado, os shebab realizaram um ataque no Natal contra o Aeroporto de Mogadíscio que deixou ao menos 12 mortos.

A Somália é o segundo país muçulmano a proibir o Natal este ano, após o Sultanato de Brunei, que adotou uma medida similar.

O país segue o calendário islâmico, que não reconhece 1º de janeiro como o início do ano.

Fonte: AFP.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||