Salvação em meio à morte

"Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

07 de junho de 2019.

Hoje voltaremos a falar sobre Beena*, cristã indiana que teve de fugir com o filho enquanto o marido era atirado em um lago profundo com as mãos amarradas atrás do corpo. Mesmo depois dela e o filho terem encontrado abrigo e seus agressores partirem, eles ainda não estavam seguros. “Quando os donos da casa souberam que éramos cristãos, pediram que saíssemos o quanto antes. Entretanto, foram bondosos o suficiente para nos oferecer comida. Mas como podia comer? Tinha acabado de presenciar meu marido ser amarrado e jogado em um lago há pouco tempo. Tudo o que pensava era – será que ele está vivo? Eu apenas segurava meu filho perto de mim e minhas lágrimas caíam. Meu coração batia acelerado o tempo todo”, conta.

Os donos da casa conseguiram um garoto da vizinhança para ir com Beena e o filho até a casa do pastor – a cerca de uma hora de caminhada, com parte do caminho de barco. Eles decidiram viajar escondidos pela escuridão. Então, quando a noite caiu, os três partiram. “Meu filho segurava apertado a minha mão. Ele andava chorando silenciosamente, sussurrando: ‘Meu pai, meu pai’. Ele estava com tanto medo. Não tínhamos chinelos e nossos pés machucados, sangravam. Estava frio e não tínhamos roupas quentes. Nós apenas caminhávamos rapidamente”, relembra.

O garoto que os acompanhava falava que Jesus não era digno daquilo e que eles deveriam deixar o cristianismo. “Cada palavra perfurava meu coração. Eu pedi que ele parasse. Preferia que dissesse coisas sobre mim e minha família, mas que não falasse nada contra Jesus, pois isso machucava meu coração”.

Lágrimas de alegria
Enquanto atravessavam o rio, a mente de Beena continuava acelerada. ”Eu estava confusa sobre o que pensar ou não pensar. Quando sentei no barco, apenas orei, ‘Oh Senhor, por favor salve meu marido! Senhor, por favor, envie ajuda! Por favor, proteja a minha família’”. O coração batia acelerado quando o barco chegou ao outro lado e eles andaram até chegar à casa do pastor.

Ao se aproximarem, Beena ouviu vozes. Provavelmente estava acontecendo um culto de oração. Ela sentiu alegria em seu coração, quase como se tivesse chegado em casa. Mas, então, lembrou do marido e a dor voltou rapidamente. Porém, o que ouviu em seguida fez seu coração saltar de alegria. “Era a voz do meu marido. Eu estava confusa e maravilhada. Será que estava alucinando? Nos apressamos para a porta e bati impacientemente. A porta se abriu e eu vi meu marido sentado, cercado por um grupo de cerca de 10 pessoas de minha igreja. Os membros da igreja estavam muito alegres em ver que eu e meu filho chegamos lá em segurança. Dentre todos os pensamentos que tive, nunca imaginei isso. Abracei meu marido e junto com meu filho choramos de alegria”. Beena não esperava que o marido sobrevivesse, mas Deus ouviu suas orações e, milagrosamente, ele conseguiu soltar suas mãos e escapar.

Doação que garante ajuda e cura
Depois daquela noite memorável, Beena, o marido e o filho ficaram com um cristão da igreja. Alguns dias depois, parceiros da Portas Abertas se encontraram com Beena para orar e a encorajar, além de garantir ajuda prática para a família. Ajude a Portas Abertas a apoiar famílias como a de Beena. Sua contribuição permite que cristãos indianos sejam beneficiados com alimentos, itens básicos e assistência jurídica.

*Nome alterado por segurança.

Fonte: Portas Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||