República das Maldivas caminha para a privatização da liberdade

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

09 de julho de 2015.

O Supremo Tribunal das Maldivas publicou as diretrizes para a Comissão de Direitos Humanos do país, que vai perder a sua independência

Daniel, o analista de perseguição da Portas Abertas, criticou o Poder Judiciário Independente: “Se não fosse tão sério, nós até riríamos da decisão. Qual é o sentido disso? São as Nações Unidas que verificam os registos nacionais dos direitos humanos, no chamado Processo de Revisão Periódica Universal. Para isso, as instituições nacionais de direitos humanos, como a Comissão de Direitos Humanos das Maldivas, são convidadas e até mesmo obrigadas a enviar um relatório. Isso é o que eles fizeram: eles enviaram um mero relatório de duas páginas, e que não está ajustado aos padrões internacionais”.

Com as novas orientações, a Comissão de Direitos Humanos terá que verificar tudo o que está dizendo, e se justificar com vários ministérios, transformando a Comissão, de fato, em apenas mais um departamento do governo.

Consequentemente, a decisão tem chamado a atenção da crítica internacional, mas infelizmente, a República das Maldivas caminha para a privatização de sua liberdade. O governo está endurecendo e isso afetará os poucos cristãos que vivem por lá, juntamente com os trabalhadores migrantes cristãos no país.

A Maldivas é o 11º país na Classificação da Perseguição Religiosa e decisões como essas podem acirrar ainda mais os fatores de perseguição e levar os cristãos no país a uma situação cada vez mais difícil.

Fonte: Porta Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||