Nunca os cristãos foram tão perseguidos como agora

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

10 de janeiro de 2018.

 

A comunidade cristã no Egito está a ser alvo de uma perseguição sem precedentes, com vários ataques terroristas a igrejas e rapto de raparigas que são depois forçadas a casar com muçulmanos. Esta é a conclusão do relatório da organização de apoio a cristãos perseguidos Missão Portas Abertas.

O referido relatório acompanha a divulgação da lista dos países mais perigosos para os cristãos elaborada pela Missão Portas Abertas. À semelhança de 2017, a Coreia do Norte lidera o ranking de 2018. Mas a organização destaca o Egito (que está na 17.ª posição da lista), que está entre o grupo de países que tem conhecido o maior agravamento no que à perseguição a cristãos diz respeito.

Um dos factores de preocupação é o facto de o Egito ter no seu território a maior comunidade cristã de todo o Médio Oriente. De acordo com as estatísticas oficiais, cerca de 10% da população egípcia – que conta com 95 milhões de pessoas – é cristã. No entanto, acredita-se que a percentagem possa ser maior. A grande maioria desta comunidade é cristã ortodoxa, sendo que um milhão são cristãos evangélicos e cerca de 250 mil católicos.

Dias depois de um atentado a uma igreja cristã copta em Helwan, um bairro que fica na zona Sul do Cairo, ter feito nove mortos, os cristãos ortodoxos celebraram o Natal, no domingo, no meio de medidas de segurança reforçadas. O Presidente egípcio, Abdel Fattah al-Sisi, marcou presença na missa de Natal na inauguração de uma catedral a 45 quilometros do Cairo, onde realizou um discurso em defesa da comunidade cristã, lembra o Guardian.

Ao longo do último ano, foram vários os atentados contra a comunidade cristã no Egito. Na última Páscoa, ataques a duas igrejas fizeram 46 mortos e, em Maio, outras 29 pessoas foram mortas quando um grupo de homens armados disparou contra um autocarro transportando uma excursão de cristãos coptas. A Missão Portas Abertas refere por isso que em 2017 pelo menos 128 cristãos foram mortos pela sua fé e outros 200 foram retirados de suas casas. Além disso, a organização refere que 15 raparigas foram raptadas na província de Minia para serem convertidas ao Islão e para serem forçadas a casar com muçulmanos.

Como aponta o relatório da Missão Portas Abertas, este súbito aumento da perseguição e risco para a comunidade cristã no Egito surgiu devido à dispersão dos terroristas do Estado Islâmico à medida que sofriam derrotas no Iraque e na Síria. Aliás, vários especialistas tinham já avisado para a possibilidade de vários combatentes jihadistas, depois de derrotados nos principais palcos do seu “califado”, voltarem a casa para continuar a jihad de forma autônoma. E um dos principais destinos seria o Egito.

“Os cristãos no Egito enfrentam uma barreira de descriminação e intimidação. No entanto, eles recusam-se a desistir da sua fé. É difícil para nós imaginar ser definido pela nossa religião todos os dias em todas as esferas da nossa vida”, diz ao Guardian Lisa Pearce, da Missão Portas Abertas. “No Egito, tal como em muitos outros países do Médio Oriente, a religião é colocada no bilhete de identidade. Isto torna a discriminação e a perseguição fácil – é-se ignorado para empregos, os documentos são difíceis de obter e ir à igreja significa que passa a ser um alvo”.

Fonte: Público

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||