Nigéria: Boko Haram declara califado e corta mãos de infiéis

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

04 de novembro de 2014.

 

O grupo terrorista Boko Haram declarou um califado islâmico na cidade de Mubi, no nordeste da Nigéria, e cortou as mãos de dez pessoas que descumpriram sua interpretação da lei islâmica, informou nesta terça-feira a imprensa local.

Os terroristas içaram sua bandeira e impuseram um califado islâmico em Mubi, a segunda cidade mais povoada do estado de Adamawa, com 250 mil habitantes, sob controle desde a última quarta-feira.

Alguns moradores, citados pelo jornal nigeriano The Punch, disseram que os terroristas cortaram as mãos de dez pessoas que foram declaradas culpadas de diversos delitos, incluindo o saque de propriedade.

Outra testemunha afirmou que dois ímãs foram decapitados por milicianos de Boko Haram porque teriam pregado contra o grupo terrorista.

Centenas de pessoas já abandonaram a região por medo de represálias dos terroristas, que predicam o Islã e recrutam jihadistas para a causa.

Diante da onda de ataques a cidades, o vice-governador do estado de Borno, Alhaji Zanna Mustapha, advertiu que os estados de Adamawa, Borno e Yobe - em situação de emergência desde maio - poderiam ser invadidos pelo Boko Haram em questão de semanas a menos que o governo federal intensifique seus esforços para deter os terroristas.

Até o momento, mais de 15 localidades do norte do país estão sob o controle dos terroristas, que assassinaram centenas de pessoas - a maioria de cristãs, no que foi o primeiro passo para alcançar o objetivo de implantar o estado islâmico no país.

 

No sábado o líder de Boko Haram, Abubakar Shekau, negou em um vídeo que o grupo terrorista tenha acordado um cessar-fogo com o governo nigeriano e que vá libertar as mais de 200 meninas sequestradas há seis meses em uma escola de Chibok, no norte do país.

"O assunto das meninas está esquecido porque já faz tempo que foram casadas", disse Shekau, que avisou que as menores não voltarão para suas famílias.

Boko Haram, cujo nome significa em línguas locais "a educação não islâmica é pecado", mantém uma violenta campanha que matou mais de três mil pessoas este ano, segundo dados do governo nigeriano.

Fonte: EFE.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||