Mesmo perseguidos, quase 150 alunos se formam em faculdade teológica do Sudão

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

08 de dezembro de 2017.

No dia 24 de novembro, a Faculdade Cristã Emanuel (ECC, da sigla em inglês) realizou a formatura de 149 alunos, apesar da insegurança na nação. Eles se formaram nas áreas de Teologia, Educação e Administração de Empresas. Todos celebravam o fato de eles terem conseguido continuar os estudos apesar da instabilidade do país, em guerra desde 2012. 

Em dezembro de 2012, a guerra começou na mais nova nação da África, o Sudão do Sul. Em setembro de 2016, a facção de oposição SPLM-IO declarou guerra ao governo do presidente Salva Kiir, marcando assim uma escalada na violência. A ECC, localizada na cidade de Goli, não ficou imune. Devido a um confronto entre as forças do governo e de oposição no estado, 500 pessoas fugiram para lá, buscando refúgio. Uma semana depois, soldados da oposição saquearam a faculdade. Também sequestraram cinco funcionários, mas logo em seguida os libertaram – o que se repetiu em mais duas ocasiões. 

Perseverança e convivência pacífica são marcas da faculdade

Apesar de toda insegurança, os alunos estavam determinados a concluir os cursos. Então oraram, jejuaram e continuaram as aulas. Muitos alunos que vinham da cidade de Yei (que era o centro do conflito) tinham que usar transportes providenciados pela faculdade para voltar para casa após as aulas, devido à insegurança. Depois de um tempo, as aulas tiveram que ser transferidas de Goli (que continuou a ser controlada pelas forças de oposição) para Yei (que está sob controle do governo). 

Na cerimônia de graduação, o deão da faculdade, Daniel Ohide, disse que depois dos eventos ocorridos em 2016, eles se questionaram se deveriam continuar operando no Sudão do Sul. “Como instituição, nós podemos olhar para trás e agradecer a Deus por termos dado um passo de fé no começo de 2017”. Ele também agradeceu à Portas Abertas pelo apoio de longo prazo. “Como faculdade, esperamos a cada dia ver um povo transformado, com excelência acadêmica, fundamentado na palavra e glorificando a Deus”, acrescentou. 

Enquanto o tribalismo é uma das causas do conflito atual, na ECC estudantes de diferentes etnias vivem e estudam juntos. Nuer, Dinka, Murle, Maban, Anyuak, Latuko, Didinga e Madi são alguns dos povos representados, vivendo como irmãos e irmãs pelo fato de pertencerem à família de Deus. “Esta graduação é uma indicação de que essa visão, esse sonho, esse ideal é possível. E se é possível na ECC, com certeza há esperança para um Sudão do Sul onde todos os homens e mulheres viverão em paz, harmonia e prosperidade. É para onde nós estamos caminhando”, concluiu o deão. 

Pedidos de oração

  • Louve ao Senhor pelos alunos que se formaram e por sua proteção durante a jornada.
  • Agradeça a Deus pela proteção sobre a faculdade e funcionários, e ore por provisão para que continue sendo uma bênção para a comunidade.
  • Clame para que o exemplo dos alunos que convivem bem apesar das diferenças étnicas seja um exemplo a ser seguido em toda a nação.
  • Peça pela paz no Sudão do Sul e para que a ECC volte a funcionar plenamente.

Fonte: Portas Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||