'Matam pais, violentam e sequestram mães e destróem a igreja'

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

14 de abril de 2015.

"O dia depois de 11 de setembro, a editora da revista Time, Nancy Gibbs escreveu: ‘Se você quer humilhar um império, não faz sentido destruir suas catedrais". A escala de terror do Boko Haram na Nigéria é muito mais vasto do que os ataques no Estados Unidos, em 2001. Enquanto o mundo grita sobre o sequestro do grupo de mais de 250 meninas de uma escola em Chibok, o Boko Haram leva adiante seu plano para destruir a comunidade cristã como parte de seu objetivo de derrubar o governo e transformar a Nigéria em um estado islâmico. Catedrais da Nigéria não são os edifícios, mas as famílias cristãs

O terror funciona como um tornado. A ameaça está lá, mas quando ataca, ele faz isso com pouco ou nenhum aviso e destrói tudo e todos em seu caminho. As vidas dos sobreviventes são cortadas em dois: uma vida "antes" e uma vida 'depois' dos ataques.

Na manhã do domingo 26 de janeiro de 2014, era uma manhã comum na pequena cidade de Chakawa no estado de Adamawa, no norte da Nigéria. Apesar de Adamawa ser um dos três estados no Nordeste da Nigéria, considerado a casa do Boko Haram, não havia nenhuma evidência de que um desastre estava prestes a abater a comunidade cristã.

Os terroristas fizeram seu dever de casa. Se eles receberam ajuda de dentro ou se infiltraram na vila antes do terrível domingo é desconhecido. Independentemente de como eles recebiam a informação, as 'centenas' (de acordo com testemunhas oculares) dos membros do Boko Haram sabiam onde precisavam ir, quais casas pertenciam a cristãos e quais pertenciam a famílias muçulmanas. Mas o ataque começou em volta da igreja cristã local.

Lá fora outros terroristas aguardavam ansiosamente os cristãos sairem para atirar e derrubar um a um.

Em seguida, os homens do grupo invadiram o prédio e abriram fogo contra quem ainda estava lá dentro. Outros carregavam grandes facas e cortavam as gargantas dos membros da igreja, que desesperadamente tentavam escapar do prédio através de qualquer porta ou janela que encontravam. Alguns conseguiram escapar do caos, mas muitos foram gravemente feridos e cairam durante a fuga.

"Nós não queremos ouvir esse nome 'Jesus'", disse um membro do Boko Haram. "Mas se você insistir, você vai morrer em nome dele! Vocês não vão mais cantar e se cantarem será na sepultura!" "De fato, muitos cristãos que morreram oraram a Jesus em seus momentos finais", disse uma testemunha.

Ao todo, 52 cristãos morreram naquele dia, alguns outros morreram em um hospital mais tarde. Dezenas de outros foram gravemente feridos. Muitas casas foram saqueadas e incendiadas. A BBC e outros meios de comunicação escreveram sobre as vítimas. No dia seguinte, este "ataque aleatório e matança sem sentido na Nigéria" era um pequeno parágrafo no livro de história universal do mundo, apesar do fato de que os sobreviventes continuaram a ter falta de comida, abrigo, roupas e outras necessidades diárias.

Pedido de oração

Os ataques de Boko Haram contra comunidades cristãs na Nigéria não são aleatórios e sem sentido, mas são, na verdade, planejados e orquestrados para marcar as vidas dos sobreviventes. Ore para que Deus cure as vítimas, que Deus reconstrua sua igreja sobre as sementes dos mártires e ore para que Deus mude os corações de membros Boko Haram e outros extremistas muçulmanos.

Fonte: Portas Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||