Líderes muçulmanos e cristãos promovem diálogo na África

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

15 de dezembro de 2014.

Vinte e um líderes cristãos e muçulmanos se reuniram de 17 a 18 novembro em Cyangugu, Ruanda, para o workshop “Diálogo Inter-religioso para a paz e segurança na região dos Grandes Lagos”, com organização de ONGs como Serviço Cristão Internacional para a Paz (EIRENE), que tem o seu escritório regional em Bujumbura, capital do Burundi.

Situado no meio do continente, a região dos Grandes Lagos é uma das áreas mais voláteis de África. Durante décadas, tem sido devastada por conflitos violentos, como as amargas rivalidades étnicas que levaram ao genocídio de Ruanda de 1994, no qual mais de 800.000 pessoas, principalmente de etinia tutsi, foram abatidas no período de 100 dias.

A vizinha Burundi também foi dividida por tensões étnicas mortais após a sua independência, em 1963. Essas tensões eclodiram em 2003 em uma guerra civil que durou 12 anos e matou mais de 300 mil vidas. A República Democrática do Congo, no entanto, sofreu o pior conflito na África. Cerca de seis milhões de pessoas foram mortas durante a guerra civil de cinco anos que começou em 1998. Muitas vezes referida como "Guerra Mundial" da África porque envolveu a maioria dos seus países vizinhos, o conflito tecnicamente terminou com um acordo de paz em 2003 e da implantação de maior missão de paz das Nações Unidas, embora as medidas ainda trabalhem em prol de uma paz duradoura, em particular nas regiões orientais do país.

"Isto nos ensina a tirar lições, a fim de sermos capazes de alocar as coisas que podemos tolerar e aquelas que não podemos nos dar ao luxo de tolerar mais", disse o bispo John Rucyahana da Igreja Anglicana de Ruanda. 
''Precisamos de diálogo a fim de traçar estratégias e definir o ritmo de desenvolvimento”, disse ele. "Nós criticamente temos de expor as fontes de conflitos, tanto quanto precisamos de diálogo para estabelecer políticas, não só para eliminar os conflitos, mas também fazê-lo com o compromisso e intenção de curar a nossa sociedade.”

Vários países dos Grandes Lagos - Ruanda, Burundi, República Democrática do Congo e Uganda - terão eleições em 2015. Issaka disse que afiliações religiosas e étnicas talvez manipulem para fins políticos, a criação de condições que poderiam provocar violência.

Recentes ataques do grupo radical somali al-Shabaab no Quênia levantaram preocupações na região dos Grandes Lagos. O grupo islâmico disse que seus ataques vão continuar até que o Quênia retire suas tropas de manutenção da paz da Somália. Uganda e Burundi também têm tropas na Somália. No dia 3 de novembro, o ministro do Burundi da Administração Interna, Edouard Nduwimana, reuniu-se com líderes religiosos e advertiu-os contra o risco de ataques terroristas em Burundi.

Os ataques ao Quênia trazem de volta memórias de ataques individuais em Kampala em julho de 2010, que matou mais de 80 pessoas. Alguns países ocidentais, como a Grã-Bretanha, Estados Unidos, França e Austrália emitiram alertas de viagem relativos a vários países da região, com base nas ameaças do al-Shabaab.

Fonte: Portas Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||