Leis de blasfêmia: um passo para frente e dois passos para trás

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

09 de julho de 2015.

 

Há dois meses, o ministro do interior do Paquistão anunciou sua tentativa de conter o abuso das leis de blasfêmia do país, concedendo penas severas por falsas acusações

Tendo em vista que este não é o primeiro de seus planos e nem o último, ainda há esperanças. Segundo Daniel, analista de perseguição da Portas Abertas: “A reação já era previsível, no entanto, é desanimadora. Os líderes religiosos islâmicos afirmaram que “quem insulta Maomé, não tem o direito de viver”.

Alguns manifestantes foram contra os apoiadores da nova lei, que também inclui o sacrifício de jovens. Resumindo, a violência entre a multidão ainda é uma ferramenta eficaz para influenciar a política no Paquistão.

Isso quer dizer que cristãos e outras minorias não devem esperar por qualquer alívio no que diz respeito à perseguição contra eles, já que o país cede facilmente à “pressão das ruas”, que se faz com ousadia e violência por parte dos manifestantes, e representam uma forte ameaça ao Estado.

Fonte: porta Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||