“Não, eu nunca pensei em deixar a Síria”

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

26 de setembro de 2014.

 

O jovem de aproximadamente 30 anos leva um tempo antes de responder a cada pergunta. Aparentemente, Fathi * é um cara relaxado, em paz. Mas, até onde as aparências podem confundir? Esse homem acabava de chegar da maior cidade da Síria, Alepo, quando um colaborador da Portas Abertas o recebeu no Líbano. Três anos de guerra deixou cicatrizes em seu coração, ele está cansado, mas ainda deseja ficar em Alepo e não quer fugir de seu país.

Fathi é um cristão sírio que desempenha um papel fundamental para ajudar os refugiados da guerra através das igrejas locais apoiadas pela Portas Abertas. “Não, eu nunca pensei em deixar a Síria”, diz ele a um colaborador da Portas Abertas. “Todos os dias eu vejo de perto como podemos ajudar as pessoas.”

Há pouco mais de dois anos, a cidade de Alepo é palco de violentos combates. Recentemente, surgiram rumores de que militantes do chamado Estado Islâmico estão prontos para tomar o controle de toda a cidade.

“É claro, por outro lado penso em minha família. Eu temo por eles, mas não por mim. Nos últimos anos, o Senhor teve de me proteger quando eu fui parado em postos de controle ao passar por certas áreas da cidade e do país. Deus me livrou todas aquelas vezes e vai continuar me ajudando; eu vejo como podemos fazer a diferença através do trabalho que estamos realizando.”

Fathi salienta a importância de “ver a situação toda por um ângulo maior”. “Quando há tiros à esquerda e à direita, edifícios são destruídos, quando você teme por sua vida, visualizar a situação por um âmbito maior ajuda a continuar. Precisamos ir em frente. Fico feliz em ver que é um esforço conjunto de diferentes igrejas e denominações. Não se trata apenas de mim.”

Ele fala sobre o papel dos cristãos na sociedade abalada pelo sofrimento e pela dor. “A comunidade cristã pode ser o ponto de ligação entre o governo e a oposição.” Viver em Alepo é um desafio no momento. “As pessoas estão preocupadas com as necessidades básicas, elas não conseguem enxergar além disso. Dia após dia estamos tentando suprir necessidades como comida, eletricidade e água; este é o desafio de quem vive na Síria.”

Através de igrejas locais e organizações parceiras, a Portas Abertas está ajudando mensalmente mais de nove mil famílias na Síria. Em Alepo, mais de duas mil famílias recebem assistência. Além de ajudar os necessitados com alimentos, apoio médico e aluguel de moradias, a Portas Abertas distribui literatura cristã para crianças e adultos e organiza diversos treinamentos. Tudo isso, só é possível por meio da contribuição de irmãos e irmãs como você. Muito obrigado por servir à Igreja síria conosco!

Pedidos de oração

  • Ore por homens e mulheres como Fathi, que se dedicam a ajudar as pessoas que tiveram de deixar tudo em suas aldeias ou cidades e fugiram para Alepo. Que eles sejam fortalecidos pelo Senhor.
  • Peça a Deus para que todos afetados pela guerra civil consigam lidar com os traumas que tantos anos de guerra provocam.

*Nome alterado por motivos de segurança.

Fonte: Portas Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||