Laos: Eles preferiram a fonte de água viva

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

03 de março de 2017.

 

Minoria cristã foi impedida de buscar água de um poço oferecido pelo governo, a não ser que renunciassem sua fé; mas eles preferiram aguardar a provisão de Deus

Tente se imaginar numa situação difícil, quando o acesso às necessidades básicas lhe é negado por causa de sua fé. Isto é perseguição religiosa, exatamente o que os cristãos “Bru” que vivem em Laos, enfrentam. Bru significa literalmente “pessoas que vivem na floresta”. Trata-se de um grupo étnico que existe na Tailândia, Laos e Vietnã, politica e historicamente diferente dos demais grupos. Embora a maioria da tribo seja adepta ao budismo misturado ao animismo, há muitos laosianos que se decidiram pelo cristianismo.

Eles vivem praticamente isolados na parte sul do país e a nova crença fez com que fossem privados de seus direitos, em especial a um projeto comunitário financiado pelo governo que oferece poços de água aos cidadãos dessa comunidade. Quando o projeto finalmente se tornou funcional, os cristãos foram proibidos de tirar água desses poços. Em vez disso, riram deles e mandaram que tirassem a água de uma lagoa próxima. Infelizmente, a lagoa não oferece água potável e possui muitos insetos. Mas um poço foi construído especialmente para a comunidade cristã, com a ajuda de colaboradores da Portas Abertas.

03-laos-familia-retirando-agua-do-poco

“Antes ficávamos doentes por causa da água da lagoa e nossos filhos tinham problemas de estômago. Mas Deus mostrou que está ao nosso lado e agora temos água limpa”, disse Nad*, um líder cristão. Ele também conta que a novidade do poço levou muitas pessoas a conhecerem os Brus cristãos e que tiveram a oportunidade de ouvir sobre Cristo e logo se converteram. “Através do poço nos tornamos um testemunho da bondade de Deus para os aldeões daqui. Mas também atraímos a atenção dos policiais”, disse o líder.

A ordem das autoridades era que os cristãos renunciassem a fé para obter água de graça do governo. Mas eles preferiram a “fonte de água viva”, não desistindo de Jesus e tiveram tanto a sede espiritual quanto a física saciadas. “Fomos consolados pela Palavra do Senhor e ele nunca abandona seus filhos”, afirmou Nad.

“...mas quem beber da água que eu lhe der nunca mais terá sede. Pelo contrário, a água que eu lhe der se tornará nele uma fonte de água a jorrar para a vida eterna.” (João 4.14)

* Nome e foto alterados por motivos de segurança.

Fonte: Portas Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||