Iraque: Há dois anos os cristãos foram expulsos de Mossul

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

11 de junho de 2016.

 

Eles tiveram somente três escolhas: ficar na cidade e se converter ao islã; pagar o imposto islâmico que é alto para a maioria das famílias, ou deixar Mossul sem direito a nada, a não ser as roupas do corpo

Mossul é a terceira maior cidade do Iraque, depois de Bagdá e Baçorá, e segundo pesquisas arqueológicas, também é a antiga Nínive citada na Bíblia. Atualmente, a região se encontra sob o domínio do Estado Islâmico (EI), que a ocupou em junho de 2014, declarando solo islâmico. Na ocasião, os cristãos foram pressionados pelos radicais e tiveram somente três escolhas: ficar na cidade e se converter ao islã; pagar o imposto islâmico que é alto para a maioria das famílias ou deixar Mossul sem direito a nada, a não ser as roupas do corpo. Aqueles que não obedecessem seriam executados. As casas dos cristãos foram marcadas com a frase "propriedade do Estado Islâmico".

Dos 2 milhões de pessoas que viviam em Mossul, metade (predominantemente muçulmana) decidiu ficar para não perder seus bens. Em 2015, segundo informações do site de notícias Terra, aqueles que ficaram não podiam mais abandonar a cidade sem o comprometimento de voltar nos prazos obrigatórios, para não correr o risco de perderem suas casas ou veículos apreendidos. Além disso, tiveram que ver de perto os métodos do EI, como decapitações públicas, apedrejamentos e crucificações. A cidade vivia praticamente no isolamento.

Muitas famílias cristãs fugiram da cidade desde a invasão do Estado Islâmico. Boa parte foi para a região relativamente segura "curda" ou para um bairro cristão no país, levando apenas o que puderam transportar. Mesmo diante desse cenário, um cristão compartilha como Deus tem sido muito bom para com ele: "Vivo hoje em um pequeno apartamento em Erbil e estou feliz com isso. Eu acho que nunca vou voltar para Mossul. Mas apesar de tudo, há boas oportunidades para minha esposa e eu em Erbil, estamos reconstruindo as nossas vidas aqui. "

Estendendo a mão
Através de igrejas locais e parceiros de todo o mundo, a Portas Abertas continua a apoiar os cristãos deslocados internamente, que vivem em campos de refugiados ou prédios abandonados. Você quer ajudar? Conheça nossa campanha Mantenha a Igreja viva no Iraque e Síria e nos ajude a continuar levando esperança para quem compartilha da nossa fé, mas não da nossa liberdade em um contexto de guerra e perseguição religiosa. Envolva-se agora mesmo!

Fonte: Portas Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||