Igrejas bombardeadas são substituídas por templos budistas

"Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

11 de julho de 2018.

 

As forças militares em Mianmar bombardearam cerca de 60 igrejas cristãs em um ano e meio. De acordo com Bob Roberts, pastor americano que visitou a região recentemente, em 20 desses lugares foram colocados templos budistas. O objetivo é a limpeza étnica do estado de Kachin, onde 95% da população é cristã. Nos últimos sete anos, mais de 450 vilas foram queimadas.

A crise de refugiados gerada pela violência do exército contra o povo muçulmano Rohingya, no último ano, captou atenção mundial. Muitos ativistas dos direitos humanos classificam as atrocidades ocorridas como ‘genocídio’. Mesmo com toda essa atenção, o exército tem transferido muitas unidades de Rakhine para o estado de Kachin. Isso tem ocasionado muitas ações violentas. “As coisas ainda não chegaram ao nível de Rohingya, mas há preocupações de que isso facilmente se torne realidade o que gera medo”, explica Roberts.

Enquanto outros povos buscam fugir de seus países, as pessoas de Kachin não podem porque as autoridades nas fronteiras com a China e Índia os impedem de passar. Cerca de 130 mil pessoas de Kachin atualmente buscam refúgio em igrejas no país. “Quase todas as igrejas, que não são tão grandes, têm entre 400 e 2 mil refugiados no estado. Eles também têm construído tendas de bambu para centenas de pessoas”, conta o pastor. Por Kachin ser um estado isolado, as grandes organizações de ajuda não estão conseguindo prestar apoio, deixando a maior parte do auxílio para as igrejas.

De acordo com Roberts, houve mais de 600 ataques com jatos e helicópteros no estado no último ano. Os cristãos locais compartilharam que se sentem esquecidos pela igreja ocidental. Para o pastor americano, muitos não sabem sobre a situação da população de Kachin. “Eu penso que já existem tantos refugiados na Síria, Iraque, Afeganistão, que nós e toda a comunidade internacional se endurece para isso”, conclui.

Bob Roberts e outros pastores têm trabalhado em uma carta que será enviada no mês de julho ao presidente Donald Trump e, ao vice-presidente, Mike Pence pedindo mais ações relacionadas a Mianmar e a volta de sanções concretas. Você também pode ajudar intercedendo pelos cristãos de Kachin. Peça por encorajamento e perseverança na fé. Ore pelos governantes do país, para que eles governem de forma justa e interfiram na ação violenta do exército.

Fonte: Portas Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||