Envie palavras de ânimo para cristãos perseguidos

"Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

14 de fevereiro de 2019.

O jovem cristão ex-muçulmano Eldos Satar Uluu, de 25 anos, mora em Tamchi, na região de Issyk-Kul, no Quirguistão. No dia 16 de outubro de 2018, três jovens radicais muçulmanos (Samuddin Uuly, Malik Uuly e Turusbek Uuly) invadiram a casa de Eldos para atacar seu pai, um cristão. O pai de Eldos não estava em casa, mas ele sim. Durante o ataque, os agressores tentavam reconverter o jovem ao islamismo. Os três homens foram identificados por Eldos e por sua irmã, Nurzhan, que testemunhou o ataque enquanto estava escondida em outro lugar da casa. Nurzhan estava grávida de seis meses e teve um aborto devido ao trauma causado pela situação que presenciou.

Abalado física e emocionalmente

Eldos foi levado ao hospital com um olho sangrando, traumatismo craniano grave com possível sangramento no cérebro, dentes arrancados e a mandíbula fraturada. Os médicos, inicialmente, pensaram que havia uma séria ameaça à sua vida e que morreria ou ficaria incapacitado.O jovem cristão ficou deprimido com toda a situação e chegou a ter ataques de pânico.

Agora, os parentes dos agressores ameaçam a família de Eldos e toda a comunidade cristã local de violência física, caso não seja retirada a queixa contra eles. Mesmo no hospital, Eldos tinha que ser guardado por irmãos da igreja, pois havia ameaças de um novo ataque. Por causa disso, ele foi transferido do Hospital Nacional de Bisqueque, a capital do país, para uma clínica particular. Eldos está consciente, mas sua condição física ainda inspira cuidados, bem como seu estado emocional. Ele agradece a todos que oraram por ele e reconhece: “Eu só estou vivo ainda por causa da oração de tantas pessoas, eu sinto isso. Obrigado”.

Os agressores estão em liberdade

Apesar de a polícia alegar que está investigando o caso, os parentes de Eldos e sua advogada, Zhanar Askar Kyzy, não estão convencidos disso. Os agressores foram interrogados pela polícia e condenados, mas foram soltos. Mesmo depois que a juíza Merim Akhmatova do tribunal de Issyk Kul ordenou que eles ficassem em prisão domiciliar, a polícia não fez nada para que a decisão fosse cumprida.

A advogada criticou a decisão, dizendo: “Essas pessoas são perigosas, pois ousaram até mesmo ir ao hospital para fazer mais ameaças e devem ser mantidas sob custódia”. A juíza, por sua vez, afirmou: “Eu tomei minha decisão porque as acusações contra os réus permitem tal restrição”. Ela se negou a discutir mais o caso.

Escreva para Eldos e sua irmã
Você tem a oportunidade de se colocar ao lado desses irmãos em oração e de forma prática. Escreva um cartão com imagens e palavras de ânimo para encorajá-los, fazendo-os saber que a igreja brasileira está orando por eles e que o socorro virá do alto. Envie seu cartão até 18 de março e fortaleça-os com suas palavras.

Fonte: Portas Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||