Egito: A lei do forte contra o fraco

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

01 de abril de 2016.

 

Enquanto a sharia pune mulheres muçulmanas que se convertem ao cristianismo, por outro lado, apoia as cristãs que abandonam suas famílias e se convertem ao islamismo

A maioria dos cristãos egípcios é conhecida como copta. A palavra “copta” foi usada originalmente no árabe clássico para se referir aos egípcios de uma forma geral, ao longo dos séculos, porém, ocorreu uma mudança semântica, e a palavra passou a se referir mais especificamente aos egípcios convertidos ao cristianismo, principalmente depois que a maior parte da população passou a seguir o islã. Não são raros os romances ocorridos entre os cristãos coptas e as muçulmanas divorciadas, que infelizmente terminam em tragédia. “Estas mulheres se convertem ao cristianismo e tentam um novo casamento após serem abandonadas pelos seus maridos, mas a sharia torna o ato legalmente impossível. Normalmente, elas são assassinadas”, comenta um dos analistas de perseguição.

Parece haver um padrão de punição coletiva, favorecendo o forte contra o fraco. Este é um cenário que assola muito a cultura islâmica. No ano de 2013, a ex-muçulmana Marwa Mohamed, de 26 anos e Karim Eid, de 27, começaram um romance na cidade de Tamia, que fica a 87 km de Cairo. Ela deixou seus dois filhos, porque a lei jamais permitiria que ela os levasse e decidiu ir morar com Eid, em Cairo. A conversão dela não estava descrita nos documentos oficiais e durante cerca de três anos o casal viveu em paz. Marwa chegou a engravidar do novo marido, mas perdeu o bebê. Certo dia, Eid a levou para rever a família, em Tamia, onde foi reconhecida pela filha, mesmo estando com a aparência totalmente diferente, sem lenço na cabeça e com roupas ocidentais.

A notícia se espalhou rapidamente, e os primos de Marwa invadiram a casa de seus pais, onde ela foi agredida e morta. Os assassinos estão foragidos e nenhuma acusação foi feita. “Os tribunais egípcios enxergam esse tipo de situação como uma questão de honra, especialmente quando há cristãos envolvidos. Quando o romance acontece de forma contrária, ou seja, se a mulher era cristã e decide se converter ao islamismo, então o caso é tratado com toda a atenção pelo Estado. A conversão é feita juridicamente e o processo é acelerado, mesmo em casos de meninas menores de idade”, explica o analista. De acordo com relatórios da Portas Abertas, até mesmo o jornalismo muçulmano lamenta essa tendência. No caso de Eid, sua família decidiu deixar a cidade para evitar outros problemas. O Egito está na 22ª ocupação da atual Classificação da Perseguição Religiosa. Embora haja uma grande pressão sobre os cristãos, o número de novos convertidos cresce mais a cada dia. Ore por essa nação.

Fonte: Portas Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||