Cristãs paquistanesas são agredidas por defenderem garota

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

28 de janeiro de 2015.

 

Mulheres cristãs no Paquistão são alvos comuns de estupros, casamentos e conversões forçadas, além das falsas acusações de blasfêmia, principal problema enfrentado pelos seguidores de Jesus.

Segundo o jornal cristão Pakistan Post, Nusrat Bibi e a irmã, Rani Bibi, estavam com suas duas filhas a caminho do trabalho, em um início de noite em dezembro, quando um muçulmano aproximou-se e começou a molestar a filha de Nusrat.

Segundo os relatos, a moça, cuja idade não foi revelada, conseguiu se defender dos ataques, mas o agressor, identificado como Khawar Khokhar, ficou furioso e começou a bater nela com seu bastão de críquete. Ele agarrou a jovem e advertiu Nusrat e Rani para não se intrometerem, enquanto arrastava a jovem para outro lugar, possivelmente para abusar sexualmente dela. 

Entretanto, a mãe e a tia não hesitaram em ajudar a moça, conseguindo soltá-la das mãos do agressor, que ficou ainda mais furioso e começou a bater nas duas. Conforme os relatos, Nusrat foi a mais machucada, quebrando o braço esquerdo e dois dedos da mão esquerda. As irmãs tiveram suas roupas rasgadas e manchas no corpo revelavam sinais de violência. Khokhar fugiu. Nenhum vizinho apareceu para socorrer as mulheres porque sabiam que o agressor tinha prestígio e influência política e também um passado criminoso.  Todos fecharam as portas de suas casas. 

Familiares das irmãs e os ativistas dos direitos dos cristãos pediram uma ação por parte do governo contra Khokhar, apesar da afirmação da polícia de que foi um incidente. Oficiais afirmaram que falharam na prisão do agressor.

As irmãs Bibi também foram ameaçadas por muçulmanos a “retirarem as acusações ou então sofrerem as consequências diretas.” Autoridades policiais também as pressionaram para que façam um acordo com Khokhar fora do tribunal.

Os cristãos vítimas de crimes no Paquistão raramente recebem suporte do sistema judiciário do país. Mais do que isso, as vítimas de ataques e estupros são diretamente pressionadas a não prestarem queixa e ainda a firmarem um acordo com os agressores.

Fonte: Portas Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||