Cristãos perseguidos por não participar de ritual

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

18 de janeiro de 2018.

O pastor Manoah* pediu oração por um membro da igreja que estava sendo pressionado a participar de um ritual secreto de iniciação para homens, chamado Yondo. Ele aproveitou a oportunidade para alertar a igreja sobre os perigos de participar desses rituais, que nessa comunidade do sul do Chade acontecem a cada sete anos e são parte das chamadas Religiões Tradicionais Africanas (essas religiões não possuem textos ou livros sagrados e se baseiam na tradição ou na narração passada de geração para geração).

Por ser secreto, o ritual não pode ser comentado diante de mulheres ou crianças. Então quando a aldeia descobriu que o pastor havia falado sobre isso no culto, um grupo se reuniu e atacou 11 cristãos que estavam reunidos para oração na casa de um membro da igreja, Daniel*. Eles viraram a mesa, jogaram as Bíblias no chão e bateram nos cristãos. Também levaram Daniel e um outro cristão, Elisha*, para o lugar onde aconteceria a iniciação na floresta. Chegando lá, tiraram as roupas deles e os açoitaram por se negarem a participar do ritual, e só os libertaram quando seus pais pagaram o resgate.

Sem proteção do governo, contam com ajuda dos irmãos na fé

Depois disso, também invadiram a casa do pastor Manoah, destruíram toda a propriedade e mataram os animais. Em seguida foram para a igreja, onde destruíram bancos, cadeiras e instrumentos musicais, assim como a casa do zelador. Manoah, Daniel e Elisha foram, então, expulsos do vilarejo e assim permanecem até hoje – alguns separados da família. Os ataques levaram muitos cristãos a fugir da cidade, mas uma boa parte já retornou. No entanto, eles ainda não retomaram os cultos na igreja e apenas se reúnem discretamente em lugares alternativos.

As autoridades locais não fizeram nada para proteger os cristãos. Pelo contrário, um oficial administrativo declarou publicamente que a igreja tem que se desculpar por ofender a comunidade. Ele também negou a existência da igreja e pediu provas de que tinham autorização para funcionar.

A Portas Abertas visitou esses cristãos para encorajá-los e também levou comida e dinheiro para manter os filhos na escola. Elisha disse: “Somos gratos não apenas pelas coisas que recebemos, mas mais importante, por saber que vocês estão lutando esta batalha espiritual conosco. Ainda que nos prendam e torturem, continuaremos lutando em oração e vencendo como filhos de Deus”. O pastor Manoah também expressou sua gratidão: “Agradecemos a Deus por nos abrir uma porta através de vocês; agradecemos a Deus e aos irmãos”.

*Nomes alterados por segurança.

Pedidos de oração:

  • Por Manoah, Daniel e Elisha, que estão deslocados. Clame para que sejam curados dos traumas dos ataques que enfrentaram.
  • Para que a congregação restaure seu local de culto e seja cheia do poder de Deus para compartilhar o amor de Jesus.
  • Para que os olhos de muitos sejam abertos e haja salvação entre os seguidores das Religiões Tradicionais Africanas.

Fonte: Portas Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||