Cristãos condenados no Sudão recebem ajuda

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

25 de abril de 2017.

 

Depois da libertação de Petr Jasek, um enviado especial da União Europeia tenta interferir no caso de outros presos

De acordo com as últimas informações vindas do Tribunal Sudanês, o enviado especial para promover a liberdade de religião ou crença fora da União Europeia, Ján Figel, visitou o Sudão em meados de março para pedir a libertação dos dois homens que foram condenados a 12 anos de prisão por supostamente “ajudar o tcheco Petr Jasek”. Jasek foi libertado em 27 de fevereiro, depois que o ministro das Relações Exteriores da República Tcheca visitou Cartum.

Hassan Taour e o geólogo Abdumonem Abdumawla permanecem presos, além de outros envolvidos no caso. Segundo o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, “a liberdade de religião ou crença é um direito fundamental que faz parte da fundação da União Europeia (UE). A persistente perseguição das minorias religiosas e étnicas torna a proteção e a promoção desta liberdade dentro e fora da UE ainda mais essenciais. Confio que Ján Figel, nosso enviado especial, nos ajudará nesse esforço, garantindo que essa importante questão receba a atenção que merece”.

“O governo de Omar al-Bashir tem prendido cristãos, especialmente os líderes de igrejas, em várias ocasiões. Eles são, muitas vezes, acusados ​​de apostasia, pregação ilegal, blasfêmia, vestimenta indecente e de conspiração, por cometerem atos de ‘traição contra o Estado’. Somente em alguns casos de alto perfil, o governo foi forçado a mudar de ideia”, comenta um dos colaboradores da Portas Abertas. Ele cita como exemplo, Meriam Yahia Ibrahim Ishag, que foi libertada em 2014, depois de uma grande pressão da comunidade internacional.

Segundo ele, a libertação do pastor tcheco, em fevereiro, é também outra indicação de que a pressão de uma nação pode levar a justiça sudanesa a “perdoar” os acusados. “Porém, a realidade mostra que o Sudão é particularmente severo com os africanos étnicos e, portanto, será necessária toda a força da comunidade internacional, seja sob a forma de blocos regionais como a União Europeia ou o Conselho de Direitos Humanos da ONU, para colaborar com a libertação deles”, conclui o colaborador.

Fonte: Portas Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||