Comissão Eleitoral quer recadastrar todos os eleitores

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

29 de julho de 2015.

 

No mês de julho, a Comissão Eleitoral das Maldivas ordenou que todos os partidos, com excessão do Partido Progressista das Maldivas (PPM), registrem novamente todos seus eleitores, através da apresentação de impressões digitais. Os eleitores do PPM foram excluídos porque já apresentaram suas impressões digitais no registro de  2011.

Daniel, analista da Portas Abertas, comenta: “Já que os partidos políticos são financiados pelo Estado, ainda que parcialmente, e o nível do partido depende da dimensão de sua adesão, este movimento é compreensível. Por outro lado, é evidente que esta política afete o Partido Democrático das Maldivas (MDP), que é um partido de oposição, do ex-presidente Nasheed, já que é um partido composto de mais de 46 mil eleitores”.

O analista comenta que o Partido Democrático é surpreendentemente grande, num país com cerca de 350 mil cidadãos. “Mas o que chama mais a atenção nessa ordem de recadastramento, é que o governo está tentando controlar e monitorar seus cidadãos por todos os meios disponíveis, e fará isso sem exceções, aproveitando para numerar os religiosos”, alerta Daniel.

Na Classificação da Perseguição Religiosa, as Maldivas ocupam o 11° lugar e tem como principal fator de perseguição é o próprio Estado, que se considera um protetor do islã. A lei do país proíbe a conversão para outras religiões e os convertidos podem perder sua cidadania.

Fonte: Portas Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||