China: Sem direito à informação

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

13 de fevereiro de 2017.

 

“O vasto sistema de vigilância das autoridades e controle de conteúdo da internet impede os chineses de acessar determinadas páginas e isso afeta também os cristãos que podiam recorrer a materiais evangelísticos”

Muitos cidadãos chineses estão perdendo seus empregos por criticar o revolucionário Mao Tsé-Tung e outros heróis comunistas. Além disso, agora estão perdendo também a privacidade porque as autoridades chinesas introduziram a repressão também no mundo virtual, com a proibição do uso de VPN (Virtual Private Network), um software que dá acesso aos sites que são bloqueados pelo governo.

O Grande Firewall da China censura “sites” como o Facebook, YouTube, Twitter e Google. “O vasto sistema de vigilância das autoridades e controle de conteúdo da internet impede os chineses de acessar determinadas páginas e isso afeta também os cristãos que podiam recorrer a materiais evangelísticos”, comenta um dos colaboradores da Portas Abertas.

Em novembro passado, o poder legislativo chinês aprovou um projeto de lei que reforça os poderes do governo para bloquear informação e difusão de dados que considera ilegais, bem como obter registos de mensagens. “Se as autoridades conseguirem eliminar todo o uso não registrado de VPN, irão monitorar com mais rigidez as comunicações. Tudo isso mostra a mentalidade geral dos líderes chineses, que está afetando também os cristãos”, conclui o colaborador.

Fonte: Portas Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||