Campanhas anticristãs são realizadas com mais intensidade

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

27 de novembro de 2015.

 

"Tudo é controlado na China, tantos as igrejas quanto os meios de comunicação"

Mao Tsé-Tung foi um político revolucionário chinês, líder comunista e um marxista fervoroso.

Liderou a Revolução Chinesa e foi o arquiteto e fundador da República Popular da China, governando o país desde a sua criação, em 1949, até sua morte em 1976. Ele costumava chamar a religião de "veneno" e que era necessário erradicá-la.

O atual governo chinês não diz publicamente que tem a mesma atitude em relação à religião. Os líderes repetem constantemente que desejam criar uma ‘sociedade aberta e livre’. No entanto, suas ações recentes sugerem exatamente o oposto.

A cidade de Wenzhou, que faz parte da província de Zhejiang, na China, tem experimentado uma campanha anticristã maciça e inédita nos últimos tempos. Mais de 1.500 cruzes foram retiradas de ambientes religiosos, por simbolizarem a fé cristã e mais de 400 igrejas foram completamente demolidas.

Tudo é controlado na China, tantos as igrejas quanto os meios de comunicação. Na realidade, não existe uma sociedade aberta e livre, mas os cristãos que vivem lá estão dispostos a pagar o alto preço desse desafio. De acordo com os relatórios da Portas Abertas: "um jornalista e vinte famílias que foram contra a remoção das cruzes, foram colocados na ‘prisão negra’, onde as pessoas sofrem tortura física e mental. Ore por estes cristãos.

Fonte: Portas Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||