Buscando força em um país opressor

“Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

16 de novembro de 2015.

 

Conheça a história de mais uma viúva que não desistiu de seguir a Cristo, mesmo diante de toda opressão que enfrenta por viver sob a lei sharia.

"Espero e oro para que eu não seja levada a fazer coisas tolas." Essas são as palavras de Muplang (30), uma viúva de Estado de Kano, na Nigéria. Ela está sozinha e traumatizada depois de testemunhar o assassinato de seu marido e se defronta com a responsabilidade do crescimento de seu bebê, Hope. Isso sem renda e vivendo sob o governo da lei sharia.

"Muitas vezes eu tenho flashbacks do momento em que eu vi o meu marido deitado na rua. Nós só estávamos andando, depois de jantar com amigos. Meu marido e eu estávamos felizes e louvando a Deus por nos trazer juntos. Dois homens em uma moto vieram dirigindo na nossa direção. De repente, ouvi um estalo alto e meu marido caiu no chão. Ajoelhei-me e gritei para ele, mas ele não disse nada. Ele já estava morto."

A história de Muplang é uma entre muitas de outras viúvas cristãs da Nigéria em Estados onde existe a lei sharia, que não só enfrentam a difícil tarefa de criar uma família por conta própria, mas também têm de se adaptar a uma cultura em que as mulheres enfrentam muitas restrições, especialmente se você é uma mulher sozinha. Cristãs como Muplang não estão sujeitas à lei sharia, mas são criadas sob uma atmosfera de intimidação e de tensão, que tão frequentemente resulta em violência. Mesmo assim, ela tem viajado horas e horas com a filha para falar de Deus através de seu testemunho.

Entre os muitos desafios que ela enfrenta, um deles é encontrar uma boa escola para Hope. Há escolas públicas que são muçulmanas. Escolas cristãs são difíceis de achar. Muitas vezes, o governo não dá permissão para os cristãos iniciarem escolas ou, se alguma vez existiram, elas já foram destruídas. Interceda por Muplang e por Hope, para que elas continuem sendo guiadas pelo Espírito Santo e que o relacionamento delas com Deus cresça mesmo diante de tamanha pressão.

Fonte: Portas Abertas.

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||