Arábia Saudita: Livros didáticos incentivam hostilidade contra outras religiões

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

20 de setembro de 2017.

 

Um relatório do Observatório dos Direitos Humanos (HRW em inglês, organização internacional não-governamental que defende e realiza pesquisas sobre os direitos humanos) aponta que livros usados nas escolas da Arábia Saudita contêm linguagem de ódio em relação a pessoas de qualquer fé que não seja o islamismo. Estão inclusos os cristãos, judeus, e até pessoas de outra tradição islâmica além da sunita.

Um livro didático do quinto ano declara que é dever de todo muçulmano excomungar os “kifars”, que significa descrentes. “Aquele que não excomungá-los ou duvidar da infidelidade religiosa deles pode se considerar também um descrente”, afirma o livro. Em outra parte, é ensinado aos alunos muçulmanos que eles devem “reservar lealdade a Deus, ao profeta e aos outros crentes, e mostrar hostilidade aos descrentes”.

Desde os ataques de 11 de setembro de 2001, a Arábia Saudita é pressionada para reformular o conteúdo do currículo escolar. As autoridades dizem que vão fazê-lo, porém o relatório mostra que não houve mudança nos últimos doze anos.

O diretor do Centro para Liberdade Religiosa em Washington, nos Estados Unidos, recomendou que o país suspenda os contratos multibilionários aprovados recentemente com a Arábia Saudita “enquanto o governo saudita publicar, postar, aprovar, financiar e distribuir materiais didáticos que direcionam violência e ódio contra qualquer grupo religioso, o que pode incluir cidadãos norte-americanos”.

Fonte: Portas Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||