A história de uma cristã que nunca desistiu

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos-ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome.” Mateus 24:9

04 de abril de 2017.

 

“Encontrei o propósito da minha vida em Jesus e sempre compartilhei o evangelho com meus amigos, pensando na felicidade e no futuro deles”

Por volta de seus 25 anos de idade, Jamilya* conheceu a Cristo, trabalhou como líder da juventude e também liderou um pequeno grupo de oração. “Encontrei o propósito da minha vida em Jesus e sempre compartilhei o evangelho com meus amigos, pensando na felicidade e no futuro deles”, disse ela a um dos colaboradores da Portas Abertas.

Sua vida ia muito bem até o dia em que o homem que queria se casar com ela, a sequestrou. Segundo a tradição da Ásia Central, se uma menina é sequestrada por mais de uma noite, ela é considerada ou “desonrada” como se diz popularmente. Mesmo que ela não tenha sequer sido tocada, nenhum homem irá mais aceitá-la como esposa.

Colocada nessa situação, seus pais decidiram realizar o casamento e ela não teve outra escolha senão obedecer. “Sardor* não me tratou muito bem. Financeiramente e emocionalmente ele não foi um bom marido. Tivemos um filho, que ele também não cuidou. As vezes ele me batia, e eu sempre orava por ele, para que fosse transformado. Mas isso nunca aconteceu, então pedi o divórcio”, conta.

Ao se deparar com a possibilidade de perder a esposa, finalmente Sardor mudou de comportamento e passou a se interessar pela fé de Jamilya. Então o casal começou a frequentar igrejas domésticas. Sardor dizia que tinha aceitado a Cristo, mas ele estava mentindo. “Meu próprio marido nos entregou para a polícia secreta. No início, nem desconfiamos quem era o traidor no nosso meio, até que um dia ele levou a polícia para a nossa casa, quando eu ministrava na Escola Dominical”, ela lembra.

Naquela manhã, Jamilya, sua irmã e mãe, junto com as 20 crianças que participavam da aula, foram levadas para a delegacia. De acordo com as leis do país, ensinar outra doutrina religiosa aos menores é proibido. As três mulheres receberam multas de valores altíssimos e Jamilya foi demitida de seu emprego por causa da “atividade criminosa” que praticou. Depois disso, o divórcio realmente aconteceu. Leia amanhã o final dessa história.

*Nomes alterados por motivos de segurança.

Fonte: Portas Abertas

voltar para Perseguições

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||