UNESCO adota oficialmente a desleal resolução sobre Jerusalém

18 de outubro de 2016.

 

Apesar das muitas demonstrações de revolta por parte de Israel e de judeus e cristãos por todo o mundo, o comitê executivo da UNESCO decidiu esta manhã adotar oficialmente a ridícula resolução que nega quaisquer laços históricos, culturais e religiosos do povo judeu, de Israel e dos cristãos à Cidade de Jerusalém.
 
Vinte e três nações votaram esta manhã a favor da resolução, enquanto que seis votaram contra e vinte e cinco se abstiveram. O voto desta manhã foi idêntico ao da passada Quinta-Feira, exceto no caso do México, que deixou de votar a favor, votando com a abstenção.
 
Venceu a mentira satânico/islâmica. Venceu o revisionismo histórico "à la carte". A História passou a ser reinterpretada ao sabor de cada um. A UNESCO perdeu toda a pouca moral e credibilidade que ainda lhe restava, cedendo à pressão (quem sabe se ao medo) do Islã e seus aliados, como é o caso das nações que alinharam na mentira e se deixaram orientar pela bitola dos interesses políticos subjugados ao poder econômico do petróleo árabe. Pagarão um alto preço por isso.
 
E, é claro, quem ficou mais a ganhar foram os palestinos, que desta forma enchem o peito de ar acusando os israelitas de serem a "força ocupante."
 
Ainda que pouco ou nada afete a realidade no terreno, uma vez que Israel é soberano sobre toda a Cidade santa de Jerusalém, não tendo de prestar contas a ninguém por isso, esta recambolesca resolução abre ainda mais as feridas já existentes dentro daquela organização da ONU sediada em Paris. 
 
Todo este descambar da UNESCO para a estupidez e idiotice começou já em 2011, quando aquele órgão da ONU decidiu aceitar os palestinos como membros do mesmo. Esta resolução hoje oficialmente adotada e designada "Palestina ocupada" é a confirmação final daquilo que Israel vem conhecendo desde há décadas na ONU: o anti-sionismo e até o anti-semitismo. Basta relembrar o número de resoluções adotadas pelo Conselho de Segurança contra Israel e compará-lo com as que condenam governos de países árabes, mesmo aqueles que têm praticado verdadeiros genocídios contra a sua população, como é o caso atual da Síria, com o seu cruel ditador Assad.
 
Apesar da "viragem" da posição do México nas últimas horas, Israel sabia que isso de pouco ou nada adiantaria face à prepotência dos restantes membros da sinistra e desacreditada organização.
 
O Brasil veio também expressar "reservas" sobre a linguagem empregue na resolução, não deixando no entanto de votar favoravelmente a favor dos palestinos, contra Israel. 
 
Shalom, Israel!

Comentários

Emerson Alves Benevides em 19/10/2016 13:24:46
Para atualização da informação, a resolução foi revogada. Site - mts.org.br/noticias/vitoria-para-os-judeus-e-cristaos-unesco-pede-perdao-a-israel-e-retira-a-perversa-resolucao-arabe-sobre-jerusalem
Carlos em 19/10/2016 03:24:21
Animais ignorantes na foto!!! Sonsos,,ardilosos,,mentirosos,,invejosos,,horrorosos,,sem estilo,,sem educação ,,sem modos,,povo amaldiçoado,,preguiçosos,,escravos de satanás (o deus so corão deles). Brasil nao me representa!!!!!
iPaulo em 18/10/2016 15:18:30
Isso é novamente um ultraje.

Enviar comentário

voltar para Israel

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||