Três questões-chave para entender a polêmica transferência da embaixada dos EUA em Israel

14 de maio de 2018.

 

Os Estados Unidos estão prestes a abrir sua nova Embaixada em Jerusalém, uma iniciativa elogiada por Israel, mas duramente criticada por palestinos, que prometeram realizar vários protestos contra a medida.

Entre as autoridades que acompanharão o evento estão Ivanka Trump, filha do presidente americano, Donald Trump, e o seu marido, Jared Kushner.

Os palestinos reivindicam Jerusalém Oriental como futura capital e veem a medida como sinal de apoio dos EUA à visão de Israel, que considera a cidade como sua capital "eterna e indivisível".

A decisão do presidente Trump no ano passado de reconhecê-la como a capital de Israel não apenas rompeu com décadas de neutralidade dos EUA nesse tema como foi criticada por vários países. Veja abaixo as respostas a três perguntas chave sobre a polêmica.

Por que a mudança de Embaixada para Jerusalém atrai tanta controvérsia?

O status de Jerusalém está no coração do conflito entre israelenses e palestinos - ambos veem a cidade como sagrada e a querem como sua capital.

A cidade foi dividida ao final da guerra árabe-isralense de 1948, dando a Israel o controle sobre Jersalém Ocidental e à Jordânia, o de Jerusalém Oriental - que inclui partes da antiga cidade e importantes localidades sagradas para judeus, cristãos e muçulmanos.

Israel capturou assumiu o controle sobre a cidade inteira em 1967, após a Guerra dos Seis Dias. Em 1980, Israel aprovou uma lei anexando Jerusalém Oriental, uma medida vista em amplas partes da comunidade internacional, inclusive pela ONU, como ilegal - assim como os vários assentamentos construídos em Jerusalém Oriental, que realocaram mais de 200 mil judeus. Na época, vários países transferiram suas Embaixadas para Tel Aviv.

De acordo com o tratado firmado entre israelenses e palestinos em 1993, o status final de Jerusalém deve ser discutido nos últimos estágios das negociações de paz. Por isso, o anúncio de Trump no ano passado, praticamente reconhecendo Jerusalém como capital única de Israel, deixou vários países preocupados, pois pode comprometer a neutralidade dos EUA na mediação do conflito.

Desde o anúncio de Trump, que foi condenada em uma resolução da ONU (128 países votaram a favor, 9 contra e 35 se abstiveram), 10 países disseram estar planejando fazer o mesmo, entre eles Guatemala, Romênia e República Tcheca.

No dia seguinte ao que Israel celebra o aniversário da fundação de seu Estado, os palestinos comemoram o que chamam de Nakba, ou Catástrofe, quando centenas de milhares de pessoas fugiram de suas casas ou foram desalojadas após a fundação do Estado de Israel em 1948.

Como estão reagindo israelenses e palestinos?

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, conclamou "todos os países a se unirem aos EUA para transferir suas embaixadas para Jerusalém". Por sua vez, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, descreveu a decisão de Trump como o "tapa do século".

Milhares de palestinos se preparam para protestar na fronteira que separa Israel e a Faixa de Gaza nesta segunda.

O timing da mudança de Embaixada também causou preocupação por causa da tensão, nas últimas semanas, na fronteira entre Gaza e Israel.

Desde o fim de março, mais de 40 palestinos foram mortos por soldados israelenses.

O alto comissário das Nações Unidas para Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al-Hussein, acusa Israel de usar "força em excessiva".

Israel diz que agiu legitimamente para proteger seus civis de militantes que tentam atravessar a fronteira.

Como israelenses e palestinos reagiram?

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, conclamou "todos os países a se unirem aos EUA para transferir suas embaixadas para Jerusalém". Por sua vez, o presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, descreveu a decisão de Trump como o "tapa do século".

Milhares de palestinos se preparam para protestar na fronteira que separa Israel e a Faixa de Gaza nesta segunda.

O timing da mudança de Embaixada também causou preocupação por causa da tensão, nas últimas semanas, na fronteira entre Gaza e Israel.

Desde o fim de março, mais de 40 palestinos foram mortos por soldados israelenses.

O alto comissário das Nações Unidas para Direitos Humanos, Zeid Ra'ad al-Hussein, acusa Israel de usar "força em excessiva".

Israel diz que agiu legitimamente para proteger seus civis de militantes que tentam atravessar a fronteira.

O que está sendo inaugurado e quem participa da cerimônia?

Uma pequena embaixada provisória começa a funcionar nesta segunda dentro do prédio do consulado dos EUA em Jerusalém. Uma instalação maior será escolhida posteriormente.

O presidente Trump deve participar da cerimônia dos EUA, por meio de videoconferência.

Mas ele mandou, como seus representantes, a filha e o genro, que são assessores especiais da Casa Branca, além do secretário do Tesouro, Steven Mnuchin, e o sub-secretário de Estado, John Sullivan.

A União Europeia manifestou várias vezes ser contra a mudança.

Fonte: BBC

Comentários

josiel em 15/05/2018 12:59:07
Se a imprensa internacional quiser ver carnificina ,convido a vir ao Acre estado brasileiro da região norte que terão muita imagens e material para dar audiência maior que a CNN pois aqui existe três faquições criminosas pcc,cv e bonde dos treze que estão em gerra por disputas de trafico mais mortes que a gaza.

Enviar comentário

voltar para Israel

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||