Plano dos EUA para paz no Oriente Médio enfrenta rejeição de países árabes

25 de junho de 2019.

Comentaristas e políticos árabes receberam com uma mistura de escárnio e irritaçãoo plano econômico de U$S 50 bilhões (R$ 192 bilhões) do presidente norte-americano Donald Trump para o Oriente Médio.

Alguns no Golfo, no entanto, disseram dito que ele merece uma chance.

Em Israel, Tzchi Hanegbi, ministro próximo ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, descreveu a rejeição dos palestinos ao plano como trágica.

O plano prevê um fundo global de investimento para impulsionar as economias dos palestinos e de países árabes vizinhos. Ele é parte de esforços mais amplos para ressuscitar o processo de paz entre Israel e Palestina.

O cunhado de Trump, Jared Kushner, apresentará as diretrizes em uma conferência no Bahrein entre 25 e 26 de junho.

"Não precisamos da reunião do Bahrein para construir nosso país. Precisamos de paz, e a sequência (proposta pelo plano) de renascimento econômico seguido por paz é irreal e ilusória", disse o ministro de Finanças palestino, Shukri Bishara, no domingo (23).

A falta de uma solução política, que segundo Washington será revelada posteriormente, motivou rejeições não só de palestinos, mas também de países árabes com os quais Israel busca relações normais.

Do Sudão ao Kuwait, comentaristas e cidadãos comuns denunciaram as propostas de Kushner em termos similares, qualificando-as como “uma colossal perda de tempo", que "nem vale ser discutida", além de "natimortas".

Partidos liberais e de esquerda do Egito criticaram a reunião no Bahrein, que viram como uma tentativa de "consagrar e tornar legítima" a ocupação de terras árabes e disseram em um comunicado conjunto que qualquer participação árabe seria “além dos limites da normalização” das relações com Israel.

Embora um esboço mais preciso do plano político tenha sido mantido em segredo, oficiais que foram informados sobre ele disseram que Kushner descartou a solução de dois Estados –uma velha ideia que circula ao redor do mundo que envolveria um estado independente palestino ao lado de Israel na Cisjordânia, Jerusalém Oriental e Faixa de Gaza.

Outra tragédia

A Autoridade Palestina boicotará a reunião no Bahrein, dizendo queapenas uma solução política resolverá o problema.

As “promessas abstratas” de Kushner são uma tentativa de subornar palestinos a aceitarem a ocupação israelense, segundo a entidade.

A Casa Branca não convidou o governo israelense para o Bahrein.

Israelense diz que é uma tentativa de criar confiança

Washington tentou criar “um pouco mais de confiança e positividade” ao apresentar uma visão econômica, mas acabou por tocar em alguns nervos dos palestinos, disse Tzchi Hanegbi, o ministro próximo ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, na Rádio de Israel.

“Eles ainda estão convencidos que toda a questão de uma paz econômica é uma conspiração, com o único objetivo de enchê-los de fundos para projetos e outras benesses apenas para que eles se esqueçam de aspirações nacionalistas. Isso é, evidentemente, apenas paranoia, mas é outra tragédia para os palestinos”, disse o ministro israelense.

Estados do Golfo aliados aos Estados Unidos, incluindo Arábia Saudita e Emirados Árabes, participarão da reunião no Bahrein ao lado de autoridades de Egito, Jordânia e Marrocos. Líbano e Iraque não comparecerão.

“Aqueles que acham que acenar com bilhões de dólares pode levar o Líbano, que padece sob o peso de uma sufocante crise econômica, a sucumbir ou barganhar seus princípios estão errados”, disse o chefe do parlamento, Nabih Berri.

O grupo Hezbollah do Líbano, apoiado pelo Irã, com significativa influência no governo, havia chamado o plano anteriormente de um “crime histórico” que precisa ser interrompido.

Milhares de pessoas marcharam pela capital do Marrocos, Rabat, neste domingo, para expressar solidariedade com os palestinos e sua oposição ao plano de Kushner.

“Viemos falar em uma única voz, como marroquinos, e expressar nossa rejeição a todas as conspirações contra a causa palestina”, disse à Reuters o vice-secretário geral do partido da coalizão governista do reino, o islâmico PJD.

Um pagamento pela ocupação das terras palestinas

Analistas árabes acreditam que o plano econômico de Kushner é uma tentativa de comprar a oposição à ocupação por Israel de terras palestinas, uma vez que proporia bilhões de dólares para que países vizinhos que recebem milhões de refugiados palestinos os integrem.

Depois da criação de Israel, em 1948, Jordânia, Síria e Líbano absorveram a maioria dos refugiados palestinos, com algumas estimativas de que eles totalizam hoje cerca de cinco milhões de pessoas.

Arábia Saudita é acusada de abandonar palestinos

A Arábia Saudita, guardiã dos lugares mais sagrados do Islã, tem sido acusada por alguns críticos de abandonar os palestinos em meio à sua rivalidade com o Irã, que tem se colocado como guardião dos direitos palestinos.

Estudiosos muçulmanos da região, que no passado ajudaram a colocar a opinião pública a favor dos palestinos, ficaram em silêncio horas depois de o plano dos EUA ter sido lançado, em um sinal de repressão aos dissidentes em vários países árabes.

A Arábia Saudita deteve vários clérigos proeminentes em um aparente movimento para silenciar potenciais oponentes dos governantes do reino. A principal autoridade muçulmana sunita do Egito, al-Azhar, ainda não divulgou uma declaração.

Riad assegurou aos aliados árabes que não apoiaria nada que não atendesse às principais demandas palestinas.

Ali Shihabi, que dirige a Fundação Arábe, que apóia as políticas sauditas, disse que a Autoridade Palestina estava errada em rejeitar o plano de imediato.

"Deveriam aceitá-lo e trabalhar para entregar os benefícios a seu povo. Para então avançar agressivamente com trabalhos não-violentos para buscar direitos políticos", escreveu ele em uma rede social.

O empresário Khalaf Ahmad al-Habtoor, dos Emirados Árabes, também criticou a recusa dos palestinos em ir ao Bahrein.

"Não há mal algum em ouvir o que será colocado na mesa", escreveu ele no mês passado.

Mesmo no Golfo, o apoio ao plano de Kushner é limitado. Osama Al-Shaheen, um parlamentar do Kuwait, disse que o "acordo do século", na verdade, é uma proposta que envolveria uma concessão unilateral pelo lado árabe. "Enquanto isso, os ocupantes [os israelenses] ganhou tudo: terra, paz e dinheiro do Golfo", completou.

Fonte: Reuters

Enviar comentário

voltar para Israel

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||