Líderes israelenses indignados com as grosseiras mentiras de Abbas na ONU

20 de fevereiro de 2018.

Mahmoud Abbas, o principal líder árabe-palestino, deveria receber o prêmio Nobel para os maiores mentirosos do planeta. Aproveitando-se hoje da plataforma da ONU, a velha raposa árabe pôs-se a inventar aquilo que qualquer pessoa minimamente informada percebe ser o estertor de alguém que já não consegue distinguir a mentira da verdade, e que, por isso mesmo, vai à ONU tentar convencer aqueles que, à imagem e semelhança dele, se alimentam da hipocrisia, da mentira e do revisionismo histórico, fruto de uma imaginação alimentada pelo ódio e pelo incurável anti-semitismo.
 
"DESCENDENTES DOS CANANEUS"
 
Como já lhe vem sendo habitual, o líder árabe gosta de reinventar a História, afirmando hoje perante o Conselho de Segurança da ONU que a raça palestina descende dos antigos cananeus, uma pérfida mentira que, de tão ridícula, nem merece qualquer comentário: "Somos descendentes dos cananeus que viveram na terra há 5.000 anos atrás e que continuaram ali a viver até aos dias de hoje."
 
Abbas prosseguiu o seu rancoroso discurso, condenando a "Declaração de Balfour", acusando o governo britânico de ser responsável pelas suas "consequências catastróficas."
 
SESSÃO ESPECIAL DO CONSELHO DE SEGURANÇA DA ONU DEBATE O CONFLITO ISRAELO-PALESTINO
 
Esta sessão especial do Conselho de Segurança da ONU visou discutir o conflito israelo-palestino, mas, tal como tantas outras, está condenada ao fracasso, uma vez que o líder palestino não demonstra qualquer tipo de seriedade, já para não falar de verdade. 
 
Para além do secretário-geral da ONU, o português Antônio Guterres, estiveram também presentes o coordenador especial para o processo de paz do Médio Oriente, o russo Nickolay Mladenov, a embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, o enviado dos EUA para as conversações de paz, Jason Greenblatt, e o conselheiro especial e genro do presidente norte-americano, Jared Kushner. 
 
Guterres interveio, afirmando que o conflito israelo-palestino já "se arrasta há demasiado tempo." Apelou ainda para que o mesmo seja resolvido através da solução 2 estados, alertando no entanto que "o consenso global para uma solução 2 estados pode estar a dissipar-se."
 
MAHMOUD ABBAS - O CAMPEÃO DA MENTIRA
 
Verdadeiro lobo com pele de cordeiro, o líder árabe teve o descaramento de afirmar esta tarde na ONU que "os palestinos nunca rejeitaram as negociações", culpando ainda Israel pelo fracasso nas rondas de conversações. 
Toda a gente sabe que a história é completamente diferente...
 
Abbas deve ter trocado os intervenientes, pois sabe-se muito bem quem é que tem boicotado todas as hipóteses de negociações...
 
Aproveitando o tempo de "antena", Abbas tratou então de acusar Israel de agir como "um estado acima da lei" e de estar a "criar uma colonização permanente com os colonatos."
 
E o velho descarado ainda complementou a sua mentira, alegando que os palestinos não têm problemas com os judeus ou com o judaísmo, apenas com "os ocupantes da terra."
 
Abbas criticou também os Estados Unidos pelo corte das ajudas aos "refugiados palestinos", afirmando que Trump está "punindo" os palestinos. E é claro, não poderia deixar de criticar Trump pela sua decisão de mudar a embaixada dos EUA para Jerusalém.
 
O líder árabe apelou no seu discurso à formação de "um mecanismo multilateral" para alcançar um acordo de paz entre israelitas e palestinos, deixando de lado o papel dos EUA na matéria.
 
Segundo Abbas, o reconhecimento unilateral de um estado independente palestino não iria minar as conversações.
 
E, como seria de esperar, a velha raposa não perdeu tempo para publicamente pedir aos estados ali representados e que ainda não reconheceram o "estado da Palestina", para o fazerem agora.
 
CONFERÊNCIA INTERNACIONAL EM 2018
 
O líder palestino aproveitou o tempo de discurso para apelar à convocação de uma "conferência de paz internacional em meados de 2018 que aceite o estado da Palestina como membro da ONU de pleno direito" - pediu Abbas, acrescentando: "Apelamos ao Conselho de Segurança para que faça isso."
 
RESPOSTA ISRAELITA
 
O embaixador israelita na ONU Danny Danon interveio na conferência, acusando Abbas de "fugir." É que, logo após ter discursado, o covarde líder árabe ausentou-se da sala...
 
Danon disse querer uma discussão direta com Abbas. Só que o "herói" palestino pôs-se fora da sala, temendo obviamente ser desmascarado nas suas mentiras, algo nada difícil de fazer por qualquer pessoa bem intencionada...
 
ABBAS "É O PROBLEMA, NÃO A SOLUÇÃO"
 
Apesar da ausência de Abbas, Danon dirigiu-se mesmo assim ao líder árabe, acusando-o pela ausência de um processo de paz israelo-palestino: "Sr. Abbas, o sr. tornou bem claro pelas suas palavras e acções que não é parte da solução. O sr. é o problema" - afirmou Danon. 
 
E Danon prosseguiu, acusando Abbas de ter um discurso diferente para os palestinos e para a comunidade internacional: "O sr. inspira uma cultura de ódio na sociedade palestina."
 
Danon citou ainda os exemplos do Egito e da Jordânia, criticando a liderança palestina por não seguir o mesmo exemplo desses dois países que estabeleceram a paz com Israel: "Mas a liderança palestina continua a preferir o conflito à coexistência."
 
O embaixador israelita acusou os palestinos de não aproveitarem as muitas oportunidades para assinarem um acordo de paz, tal como as conversações de Camp David e a oferta de paz do ex-primeiro ministro Ehud Olmert.
 
"Quando estendemos a mão, Abbas estende o punho" - acusou Danon.
 
BENNETT DÁ UMA PEQUENA LIÇÃO DE HISTÓRIA A ABBAS
 
O ministro israelita para a Educação, Naftali Bennett, ridicularizou as alegações proferidas por Abbas de que os palestinos eram os descendentes dos cananeus, e que já estavam na terra há 5.000 anos: "Uma nação que inventa o seu passado, não tem futuro" - afirmou, acrescentando: "Os ancestrais dos palestinos talvez já existissem há 5 mil anos atrás, mas a sul daqui, na península arábica. Recomendo (a Abbas) que não se concentre em construir um passado imaginário, mas antes em construir um futuro prático."
 
ABBAS PAGA AOS TERRORISTAS...E BEM.
 
Netanyahu não deu qualquer valor ao discurso de Abbas na ONU, afirmando: "Abbas não disse nada de novo. Ele continua a fugir da paz e a pagar anualmente aos terroristas e respectivas famílias 347 milhões de dólares."
 
Shalom, Israel!
 

Enviar comentário

voltar para Israel

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||