Israel afirma ter lançado ataques com caças F-35

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

22 de maio de 2018.

 

Israel utilizou, pela primeira vez, seus caças F-35 em operações de combate, tornando-se o primeiro país a testar o poderio de fogo desses bombardeiros "invisíveis", anunciou o comandante da Força Aérea israelense nesta terça-feira (22).

Joias de tecnologia, os F-35 são apresentados por Israel como uma das respostas à "ameaça" do Irã, porque são capazes de passar despercebidos pelos mísseis S-300 entregues ao Irã pela Rússia.

Os "Adir" ("fortes"), nome dos F-35 em hebraico, "estão operacionais e já participam das missões de combate", declarou o general Amikam Norkin em uma conferência em Herzliya (centro).

"Nós realizamos o primeiro ataque no mundo com um F-35", acrescentou ele.

"Nós atacamos duas vezes no Oriente Médio usando o F-35, somos os primeiros no mundo a fazer isso", ressaltou, de acordo com declarações citadas no site da Força Aérea. Ele não forneceu mais detalhes.

Nos últimos anos, Israel informou ter atingido dezenas de alvos na vizinha Síria: posições do Exército do regime de Bashar al-Assad, comboios de armas destinadas ao Hezbollah libanês e, mais recentemente, instalações e equipamentos iranianos.

Israel, conhecido por ter o Exército mais poderoso da região, recebeu no final de 2016 seus primeiros F-35, a fim de ajudar a manter sua superioridade militar em uma região onde há muitos inimigos.

No total, o Estado de Israel deve receber nos próximos anos 50 exemplares deste caça construído pelo grupo americano Lockheed Martin. O governo anunciou em dezembro que seus primeiros "Adir" já estavam operacionais.

Recentes ataques

Em 10 de maio, o Exército israelense atingiu o que apresentou como dezenas de alvos militares iranianos na Síria, em retaliação ao suposto disparo por forças iranianas de foguetes contra suas posições nas Colinas de Golã, ocupada e anexada por Israel.

Vinte e sete combatentes pró-regime sírio foram mortos, incluindo pelo menos 11 iranianos, segundo o Observatório Sírio para os Direitos Humanos (OSDH).

Esta operação provocou grande preocupação internacional quanto ao risco de um confronto aberto entre Israel e Irã.

Em 10 de maio, os iranianos lançaram 32 foguetes, segundo o general Norkin, enquanto o Exército israelense relatou até 20 projéteis.

"Nós interceptamos quatro, o resto caiu fora do território israelense", disse o oficial aos comandantes de aviação de mais de 20 países. "Em seguida, atacamos dezenas de alvos iranianos na Síria", completou.

Mais de 100 mísseis terra-ar foram disparados contra aviões israelenses durante a operação, disse ele. Todos os aviões israelenses retornaram intactos à sua base, segundo o Exército.

Fonte: AFP

Comentários

José Tavares em 23/05/2018 12:56:34
A Bíblia não precisa de provar a história de Israel. Ela em si, é a história de Israel e de um povo que Deus elegeu e colocou na Palestina. As 12 tribos lideradas por Josué, sucessor de Moisés.
Eles partiram para a Diáspora, mas não foi definitivamente. Foi, sim porque desobedeceram a Deus. Antes haviam estado na Babilónia cerca de 70 anos. Israel ficou sem este povo e outros povos ocuparam a terra. Mas quando o povo regressou da Babilónia, esses povos tiveram que sair ou sujeitar-se à Lei judaica. Esta Lei não foi dada por homem algum. Foi Deus que a deu através de Moisés.
Nos anos 70 D.C. os judeus foram outra vez corridos pelos romanos para a Diáspora.. Mas a promessa era de voltar. E cerca de 2.000 anos depois, eles estão voltando.
Tiveram azar em encontrar a terra ocupada pelos árabes. Coitados.
Construíram as suas fazendas em terra alheia. A solução é converterem-se ao cristianismos e podem ficar a viver com os Judeus. Não nada melhor que fazerem as pazes.

Tavares

Enviar comentário

voltar para Israel

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||