Assembleia Geral da ONU debaterá status de Jerusalém após veto dos EUA no Conselho de Segurança

19 de dezembro de 2017.

 

Os 193 membros da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) farão uma sessão especial de emergência rara na próxima quinta-feira (21), a pedido de países árabes e muçulmanos, a respeito da decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como capital de Israel.

O enviado palestino à ONU, Riyad Mansour, disse que a Assembleia Geral votará um esboço de resolução que pede que a declaração de Trump seja retirada, o que foi vetado pelos EUA no Conselho de Segurança de 15 integrantes nesta segunda-feira. Os outros 14 membros do conselho votaram a favor da resolução, que foi redigida pelo Egito e não mencionou os EUA ou Trump especificamente, mas expressou "profundo pesar com decisões recentes relativas ao status de Jerusalém".

Ainda na segunda-feira Mansour disse que espera haver um "apoio majoritário" à resolução na Assembleia Geral. Tal votação não tem caráter obrigatório, mas tem peso político.

Segundo uma resolução de 1950, uma sessão especial de emergência pode ser convocada na Assembleia Geral para analisar uma questão "com vistas a fazer recomendações apropriadas aos membros para medidas coletivas" se o Conselho de Segurança se omitir.

Só 10 sessões deste tipo já foram convocadas, e a última vez em que a Assembleia Geral se reuniu para uma delas foi em 2009, para tratar de Jerusalém Oriental sob ocupação e dos territórios palestinos. A reunião da próxima quinta-feira será uma retomada daquela sessão.

Revolta

Trump reverteu décadas de política externa dos EUA repentinamente neste mês ao reconhecer Jerusalém como a capital israelense, provocando revolta nos palestinos e no mundo árabe e preocupação entre os aliados ocidentais de Washington. O presidente americano também planeja transferir a embaixada de seu país de Tel Aviv para Jerusalém.

O esboço de resolução também conclamou todos os países a evitarem estabelecer missões diplomáticas em Jerusalém.

'Insulto'

Também na segunda-feira a embaixadora norte-americana na ONU, Nikki Haley, disse que a resolução foi barrada no Conselho de Segurança em defesa da soberania dos EUA e do papel de seu país no processo de paz israelo-palestino. Ela a criticou, classificando-a como um insulto a Washington e um constrangimento para os membros do conselho.

Israel considera Jerusalém como sua capital eterna e indivisível e quer todas as embaixadas na cidade. Os palestinos querem a capital de um futuro Estado independente no setor oriental de Jerusalém, que os israelenses capturaram na Guerra dos Seis Dias de 1967 e anexaram, uma ação jamais reconhecida internacionalmente.

Fonte: Reuters

Comentários

Alcides Zanetti Filho em 21/12/2017 09:28:31
A sensata decisão de Trump em reconhecer Jerusalém como a capital de Israel segue invísivelmente os desígnios de Deus e que é motivo de escândalos aos incautos e ignorantes deste mundo.
Alberto Rocha em 20/12/2017 23:33:30
Jerusalém e do povo judeu. Meca e Medina e dos muçulmanos. A briga por parte dos muçulmanos acerca de Jerusalém e por causa dos milhares de dólares do turismo
Se Jerusalém fosse tão importante p eles não estaria em terceiro lugar como cidade sagrada

Douglas em 20/12/2017 22:59:10
Isso tudo já é preparação para a chegada do anticristo esse sujeito será um mulçumano ou alguém q tenha estreito laço c essa cultura, por Isso nesses últimos anos os árabes têm ampliado sua influência na ONU.
Rogério em 20/12/2017 08:15:48
Se fosse os Árabes que tivesse capturado a cidade; seria válido. Como foi Israel. O mundo todo se submete aos Árabes.
sergio em 19/12/2017 22:33:37
sou Brasileiro e apoio o povo judeu Jerusalem sempre sera a capital perpetua



Enviar comentário

voltar para Israel

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||