Turquia vs. OTAN: geopolítica contra o bom senso

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

20 de julho de 2016.

Caça F-15E Strike Eagle dos EUA na base aérea de Incirlik, Turquia

A tentativa de golpe militar na Turquia não deixa a Aliança Atlântica outra opção senão excluir o país da organização, escreveu um analista britânico.

Segundo o artigo de Con Coughlin do jornal famoso britânico The Telegraph, a Turquia, desde o momento em que aderiu à aliança militar em 1952, foi vista como um país importante na proteção da Europa de ameaças externas. A proximidade do país a locais de graves conflitos no Iraque e Síria atuais de novo sublinhou a importância deste país-membro da aliança, especialmente no fundo da ameaça do grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e reconhecido terrorista no Brasil).

Além disso, a posição geográfica importante se tornou a razão para instalação no território turco da base aérea Incirlik que armazena armas nucleares táticas da OTAN.

Ao mesmo tempo, Washington abertamente fala sobre a possibilidade de expulsar Turquia da aliança o que mostra, segundo o autor, toda a seriedade e o grau ao qual as relações entre as partes deterioraram desde os acontecimentos da noite para 16 de julho.

O golpe de Estado, organizado e efetuado por um grupo de militares descontentes, fracassou. Mas muito em breve o presidente turco Recep Tayyip Erdogan iria aplicar outro golpe nos oponentes. A "limpeza" já afetou milhares de militares, agentes policiais, juristas, funcionários da esfera da educação. Tudo isso ainda atingiu os EUA: Washington foi acusado de apoiar rebeldes e Ancara desligou eletricidade na base aérea Incirlik.

Então, a questão é bastante simples: será que OTAN expulsará um membro problemático, mas realmente importante?

O jornal lembra que a situação atual já não é primeira em que a instabilidade política em Ancara força a aliança militar a reconsiderar as relações com o país. Assim, em 1960 na Turquia ficou pendurada o premiê Adnan Menderes o que alarmou muito a Aliança Atlântica.

Todavia, a aliança sempre compreendeu, segundo o analista, que a expulsão da Turquia a faria aproximar Rússia ou dos países do Oriente Médio, por isso sempre deixou passar as suas falhas políticas.

A falta de popularidade do líder turco também não ajuda a situação: muitos políticos europeus lhe responsabilizam pela crise migratória do verão passado (inverno no hemisfério sul) e suspeitam a ligação dele com terroristas na Síria.

Para concluir, ele tira a conclusão de que, se Erdogan não mudar a sua política, ele não conseguirá manter a Turquia na OTAN. Caso contrário, a aliança deveria recusar o seu aliado.

Fonte: Sputnik.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||