Turquia promete 'reação dura' a avanços de combatentes curdos

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

16 de fevereiro de 2016.

A Turquia alertou nesta segunda-feira aos combatentes curdos no norte da Síria que eles vão encarar a “reação mais dura” se tentarem capturar uma cidade perto da fronteira com a Turquia e também acusou a Rússia por um ataque a míssil na região que matou pelo menos 14 civis.

Uma grande ofensiva reforçada por bombardeios russos e por milícias xiitas apoiadas pelo Irã levou o Exército sírio a 25 km da fronteira turca. A milícia curda YPG tem explorado a situação, tomando território dos rebeldes sírios para ampliar a sua presença ao longo da fronteira.

Pelo menos 14 civis foram mortos na cidade síria de Azaz, o último reduto rebelde antes da fronteira com a Turquia, quando mísseis atingiram um hospital infantil e uma escola abrigando pessoas que fugiam do ataque militar sírio, disseram um médico e dois moradores.

O primeiro-ministro da Turquia, Ahmet Davutoglu, afirmou que um míssil russo havia atingido os prédios e que muitos civis, incluindo crianças, foram mortos.

A Turquia bombardeou posições da YPG pelo terceiro dia para tentar impedir que os combatentes da milícia tomem Azaz, a apenas 8 km da fronteira turca. Ancara teme que a milícia curda, apoiada pela Rússia, esteja tentado garantir a última faixa, de cerca de 100 km, ao longo da fronteira síria ainda não sob o seu controle.

“Nós não vamos deixar Azaz cair”, afirmou Davutoglu à imprensa no seu avião, a caminho da Ucrânia, acrescentando que os combatentes da YPG já teriam tomado Azaz e Tal Rifaat, mais ao sul, se não fosse a artilharia turca disparando contra eles durante o fim de semana.

"Se eles se aproximarem novamente eles vão ver a mais dura reação”, declarou ele.

O impasse tem aumentado o risco de um confronto direto entre a Rússia e um membro da Otan, a Turquia.

A Turquia está furiosa com a expansão da influência curda no norte da Síria, temendo que isso estimule ambições separatistas dos curdos no seu próprio território. A Turquia considera a YPG um grupo terrorista.

Davutoglu disse que a Turquia deixaria a base aérea de Menagh, ao norte de Aleppo, “inutilizável”, se a YPG, que a tomou durante o fim de semana de insurgentes sírios, não se retirar. Ele advertiu a milícia para não se mover para leste da região de Afrin ou oeste do rio Eufrates, há muito uma “linha vermelha” para Ancara.

Fonte: Reuters.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||