Turquia fomenta o conflito em Nagorno-Karabakh

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

04 de abril de 2016.

Ancara aproveita o conflito em Nagorno-Karabakh para defender os seus interesses geopolíticos e realizar os seus objetivos na política exterior e interior, de acordo com senador russo.

Segundo o embaixador Konstantin Kosachev, presidente do Comitê Internacional do Senado russo, a Turquia estimula a violência étnica e atira achas na fogueira do conflito no sul do Cáucaso, enquanto a Rússia, assim como outros países responsáveis, continua trabalhando com a Armênia e o Azerbaijão, pedindo que ambas as partes envolvidas no conflito se abstenham do agravamento da situação.

"Erdogan é o único chefe de Estado que ultimamente tem dirigido apelos apenas a uma das partes do conflito, defendendo a posição desta parte" — diz o senador.

Ao mesmo tempo, o ministro das Relações Exteriores russo Sergei Lavrov optou por não comentar o papel de Ancara nesse agravamento da crise, sublinhando que seria melhor para todos, inclusive para Turquia e todo o seu povo, que o governo do Erdogan deixasse de apoiar o terrorismo.

A Armênia e Azerbaijão, duas ex-repúblicas soviéticas no sul do Cáucaso, denunciaram em 2 de abril o agravamento na zona de conflito em Nagorno-Karabakh: o Ministério da Defesa do Azerbaijão, por sua vez, declarou que houve disparos por parte do Exército armênio enquanto a entidade militar armênia, ao contrário, denunciou “atividades ofensivas” da parte azerbaijana. Segundo os dados da ONU, na sequência do recente agravamento do conflito, já morreram 33 pessoas e mais de 200 ficaram feridas.

O conflito entre a Armênia e o Azerbaijão por causa do enclave de Nagorno-Karabakh começou em fevereiro de 1988 quando a região autônoma de Nagorno-Karabakh, povoada principalmente por armênios, anunciou separação unilateral da então República Soviética do Azerbaijão. Em setembro de 1991, na cidade principal da região, Stepanakert, foi anunciada a proclamação da República de Nagorno-Karabakh (NKR). No seguimento desses acontecimentos, o Azerbaijão  perdeu o controle deste território.

Desde 1992 estão sendo realizadas negociações sobre uma solução pacífica do conflito, no quadro da OSCE. O Azerbaijão insiste em sua integridade territorial, enquanto a Armênia defende os interesses da república autoproclamada, visto que a NKR não é parte das negociações.

Fonte: Sputnik.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||