Tensões entre EUA e Rússia ameaçam acordo de cessar-fogo na Síria

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

17 de setembro de 2016.

Moscou pede que Washington pressione rebeldes pelo fim das violações à trégua. EUA, por sua vez, exigem permissão de entrega de ajuda humanitária em áreas sitiadas. Reunião do Conselho de Segurança da ONU é cancelada.

Os Estados Unidos e a Rússia demonstraram interesse nesta sexta-feira (16/09) em estender o cessar-fogo em vigor na Síria há quatro dias, embora o futuro do acordo se mostre cada vez mais incerto, com relatos de violações à trégua e o fracasso na entrega de ajuda humanitária a áreas sitiadas.

Moscou, que apoia o regime do presidente sírio Bashar al-Assad, declarou-se favorável à extensão do cessar-fogo por mais 72 horas e afirmou que "continua usando sua influência" junto às forças sírias para garantir a trégua. Dmitry Peskov, porta-voz do Kremlin, disse esperar o mesmo de Washington.

Os EUA, por sua vez, aliados de grupos rebeldes moderados, afirmaram que também consideram importante a prorrogação do cessar-fogo, mas estão preocupados com a impossibilidade da entrega de ajuda - o governo americano acusa a Síria de estar bloqueando a passagem dos comboios.

Membros do Conselho de Segurança da ONU tinham uma reunião marcada para esta sexta-feira, na qual enviados de Moscou e Washington apresentariam detalhes do acordo conjunto, mas o encontro foi cancelado. O motivo não ficou claro, mas diplomatas dizem que foi um pedido de ambos países.

O acordo de cessar-fogo na Síria entrou em vigor na última segunda-feira, com previsão para durar sete dias. A trégua é a segunda acordada neste ano entre Moscou e Washington e tenta pôr fim aos cinco anos de guerra civil no país do Oriente Médio.

As duas potências esperam que o cessar-fogo possa criar as bases para se reiniciar negociações de paz no país, bem como contribuir para o combate de grupos extremistas, como o "Estado Islâmico" (EI). Outro intuito do acordo era permitir a chegada de ajuda humanitária a regiões sitiadas.

Incertezas sobre cooperação militar

Estados Unidos e Rússia haviam acordado que, se a cessação das hostilidades durar os sete dias previstos, eles estabeleceriam um centro conjunto de operações para atacar posições dos grupos terroristas EI e Frente Fateh al-Sham (Frente para a Conquista do Levante), excluídos do acordo.

Nesta sexta-feira, no entanto, Washington voltou a afirmar que a cooperação militar não vai acontecer a menos que a ajuda humanitária comece a chegar em Aleppo e em outras comunidades em risco.

O secretário de Estado dos EUA, John Kerry, em conversa por telefone com o ministro do Exterior russo, Sergey Lavrov, disse que Moscou tem de pressionar o regime de Assad a permitir as entregas.

"Os EUA não darão os próximos passos do acordo com a Rússia a menos que vejamos sete dias contínuos de violência reduzida e acesso de ajuda humanitária", reforça uma nota da Casa Branca.

Fonte: DW.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||