Stratfor prevê agravamento na luta entre Rússia e OTAN pelo mar Negro

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

07 de julho de 2016.

Navio turco do grupo militar da OTAN TCG Turgutreis realiza manobras no mar Negro, 16 de março de 2015

A Rússia terá de lidar com incursões mais frequentes da OTAN no mar Negro devido ao aumento do interesse da Aliança pela região, concluíram os especialistas da agência Stratfor.

De acordo com o relatório dos especialistas, no futuro próximo a concorrência pela influência na região do mar Negro, "vai, sem dúvida, se agravar".

Quando a Crimeia se tornou parte da Rússia em 2014, o equilíbrio de forças no mar Negro mudou. A Ucrânia, de acordo com o relatório, "foi expulsa da arena", enquanto Moscou reforçou sua frota, notam os analistas.

"A importância estratégica destas águas subiu aos olhos da OTAN, que visa reforçar sua política de contenção da Rússia na região europeia", escreve Stratfor.

O artigo informa que a OTAN deve levar em conta a Convenção de Montreux de 1936, que limita a tonelagem, o número e o tempo de permanência de navios de guerra para os Estados que não têm setor no mar Negro. No entanto, uma força multinacional, como a OTAN, pode ignorar as restrições, recorrendo à rotação com tropas de vários países. É por isso que na cúpula, que começa amanhã (8) em Varsóvia, os países membros vão discutir a possibilidade de reforçar as forças navais conjuntas no mar Negro, explicam os analistas.

Nem todos os países da OTAN que têm acesso ao mar Negro estão prontos para reforçar a frota na região. Enquanto a Romênia pode ser um ardente defensor do fortalecimento, Bulgária e Turquia podem ser mais comedidas, não querendo inimizade com a Rússia, observa a empresa de pesquisa geopolítica norte-americana.

Os analistas também compararam o equilíbrio de forças navais na região. O número de navios russos é inferior em relação ao da OTAN. No entanto, a Rússia tem muitas outras vantagens – por exemplo, em aviação. Além disso, Moscou está modernizando sua frota, incluindo seus submarinos. A posição russa na região é reforçada pela península da Criméia, o que representa uma vantagem significativa sobre a Aliança, concluem os especialistas da Stratfor.

Fonte: Sputnik.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||