Rússia vai implantar mísseis e drones nas ilhas Curilas

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

25 de março de 2016.

Rússia vai implantar sistemas de defesa costeira e drones nas ilhas Curilas, reivindicadas pelo Japão e fonte de tensão persistente entre os dois países, anunciou nesta sexta-feira (25) o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu.

"Vamos implantar ao longo deste ano sistemas de defesa costeira Bal e Bastion e drones da nova geração Eleron-3", informou Shoigu, citado pela agência estatal Ria Novosti, durante uma reunião do ministério.

Shoigu também indicou que o exército russo estuda a possibilidade de criar nas ilhas Curilas uma base naval para a frota russa do Pacífico.

"Em abril, os marinheiros da Frota do Pacífico vão em uma expedição de três meses nas ilhas Curilas. Sua principal tarefa será estudar a possibilidade de criar uma base", afirmou.

As principais bases navais da Marinha russa no Extremo Oriente estão atualmente em Vladivostok e Vilyuchinsk, em Kamchatka.

A Rússia já havia anunciado em dezembro a sua intenção de construir duas novas bases militares para manter suas forças "em alerta" sobre as ilhas Curilas, no mar de Okhotsk, ao norte do arquipélago japonês.

A presença militar russa na ilhas Curilas, onde vivem cerca de 19.000 habitantes, é uma questão sensível para Tóquio, que reivindica o arquipélago, anexado pela União Soviética no final da Segunda Guerra Mundial após a rendição das forças japonesas.

"Damos especial atenção ao desenvolvimento de nossa infraestrutura militar nas ilhas Curilas e no Árctico", continuou Shoigu, lembrando que mais de 9,5 toneladas de materiais de construção e equipamentos foram enviados em 2015 para a ilha Wrangel e Mys Chmidta, no Ártico russo.

O ministro da Defesa também anunciou a criação de duas novas divisões militares a oeste, em resposta ao reforço das forças da Otan no leste europeu.

"A Otan continua a aumentar o seu potencial militar na Europa, incluindo nas imediações das nossas fronteiras. Essa situação nos preocupa. Temos de reagir", ressaltou Shoigu.

Em fevereiro, os ministros da Defesa da Otan anunciaram o reforço da "presença avançada" da Aliança Atlântica no leste europeu.

A "presença avançada" da Otan se somou aos esforços para tornar as forças da Otan mais reativas e dissuasivas em resposta à anexação da Crimeia pela Rússia, em março de 2014, e da ofensiva do rebeldes pró-russos no leste da Ucrânia.

Fonte: AFP.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||