Rússia e China advertem EUA contra posição de mísseis na pensínsula da Coreia

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

11 de março de 2016.

 

A posição dos mísseis antiaéreos americanos na Coreia do Sul romperá o equilíbrio estratégico e levará a uma corrida armamentícia na região, advertiram nesta setxa-feira o ministro de Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, e o da China, Wang Yi, depois de se reunirem em Moscou.

"Os planos dos Estados Unidos e da República da Coreia (do Sul) superam, por sua envergadura, qualquer ameaça da Coreia do Norte, inclusive às recentes ações de Pyongyang. Estes planos ameaçam romper a paridade global", disse Lavrov em entrevista coletiva conjunta com Wang.

O ministro chinês advertiu que o desdobramento de mísseis americanos na península coreana "prejudicará os interesses da segurança estratégica da China e dos EUA e levará a uma corrida armamentícia".

As recentes sanções adotadas contra a Coreia do Norte pelo Conselho de Segurança da ONU não devem contribuir para "uma escalada de tensão na região, nem pôr impedimentos a uma solução política" ao problema relacionado ao programa nuclear da Coreia do Norte, ressaltou Lavrov.

Os dois ministros, de todo modo, mostraram seu total apoio às medidas para obrigar o regime norte-coreano a renunciar ao desenvolvimento de armas nucleares.

"Esperamos que Pyongyang tenha claro que ninguém defenderá a Coreia do Norte" em caso de novas provocações, recalcou Lavrov.

A resolução 2.270, aprovada em represália aos testes, nuclear e de mísseis, realizados por Pyongyang em janeiro e fevereiro, prevê a inspeção obrigatória de cargas, restrições na exportação de matérias-primas, embargo do comércio de armas leves e proibição de venda ao país de combustível aeroespacial, entre outros.

Estas medidas, que buscam cortar pela raiz o acesso aos recursos de financiamento dos programas militares norte-coreanos, são consideradas as mais duras impostas até o momento ao regime dos Kim e vão golpear tanto a elite como o povo no país mais isolado do mundo. 

Fonte: EFE.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||