"Estado Islâmico" ataca torcedores do Real Madrid no Iraque

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

13 de maio de 2016.

Homens armados abrem fogo contra café frequentado por torcedores do clube espanhol em cidade no norte do país. Atentado deixa ao menos 16 mortos e 25 feriados. Real Madrid lamenta ataque.

Ao menos 16 pessoas morreram nesta sexta-feira (13/05) em um ataque a tiros a um café frequentando por torcedores do Real Madrid em Balad, no norte do Iraque. O grupo extremista "Estado Islâmico" (EI) reivindicou a autoria do atentado.

Três homens armados com metralhadoras invadiram o local e abriram fogo contra os clientes no início da madrugada. Segundo autoridades, 25 pessoas ficaram feridas no ataque e pelo menos 12 morreram. Os atiradores fugiram. Ao serem interceptados pela polícia horas depois, um deles acionou o colete-bomba que usava.

De acordo com a polícia, dois policiais e dois integrantes de uma milícia xiita morreram durante a troca de tiros com os outros dois suspeitos que teriam conseguido escapar.

Em um comunicado na internet, o "Estado Islâmico" afirmou que o ataque foi realizado por integrantes do grupo e tinha como alvos integrantes de milícias xiitas.

O Real Madrid lamentou o atentado. "O Real Madrid oferece seu afeto e suas condolências aos familiares e amigos das vítimas", disse o clube, em comunicado divulgado em seu site, e anunciou que os jogadores usaram uma braçadeira preta, como sinal de luto, no último jogo da liga espanhola.

"O futebol e o esporte serão sempre territórios de encontro, entendimento e paz. O Real Madrid chora por seus adeptos, que não esquecerá", completou o clube.

O ataque ao café ocorreu dois dias depois das explosões de três carros-bomba em Bagdá, que deixaram ao menos 93 mortos e mais de 165 feridos, no dia mais violento do ano na capital iraquiana. Os jihadistas também reivindicaram a autoria desses atentados.

O "Estado Islâmico", que chegou a ocupar 40% da área total do Iraque, vem perdendo espaço nos últimos meses devido ao sucesso da ofensiva das forças de segurança. Apesar de perder cidades importantes, como Tikrit e Ramadi, os radicais ainda controlam Mossul, a segunda maior cidade do país.

Fonte: DW.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||