Quem é dono do Polo Norte?

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

10 de abril de 2016.

Será que o deserto coberto de neve pode se tornar numa das zonas mais perigosas no mundo?

O jornalista alemão Jochen Bittner, autor de um artigo publicado no diário Die Zeit avaliou a situação em torno do Ártico.

De acordo com ele, a Rússia está se armando, os EUA reagem de forma provocativa. Assim, opinou, o Ártico pode mesmo se tornar uma nova zona de conflito.

Enquanto isso, é geralmente sabido que existem regras que estabelecem a partilha conjunta do Ártico.

De acordo com a legislação existente, quer dizer, com o Direito do Mar, o fator determinante para reivindicações territoriais é a extensão da plataforma continental de um Estado, isto é, a parte ainda pertencente à crosta continental, porém submersa. No que diz respeito à plataforma continental russa, esta inclui a Dorsal de Lomonossov, uma cadeia de montanhas submarina que passa por todo o Polo Norte.

Em outras palavras, aquele país ao qual esta cadeia de montanhas pertence, passa a possuir também a parte do oceano que está localizada acima dos 70 graus de latitude norte.

Os cientistas da Comissão da ONU determinam os limites da plataforma continental após um país enviar o respetivo requerimento. Tais avaliações levam muito tempo e, até o momento, só um país recebeu a resposta ao seu requerimento – foi a Noruega e ela não tem direito a esta parte da plataforma. O Canadá, a Dinamarca e a Rússia ainda estão a espera da resposta. 

Além disso, o autor explica o interesse pela região ártica não só pela existência de riquezas naturais significativas, mas também pelas  mudanças que estão acontecendo no clima da Terra, ou seja, o aquecimento global e o degelo, o que leva a determinadas vantagens:

“O degelo do Ártico permite que esta zona seja navegável, criando a via marítima mais curta entre os países mais ricos do planeta. Tendo em conta todos estes interesses, aparece uma questão importante, que também tem a ver com o prestígio: quem, em suma, é dono do Polo Norte – a OTAN ou a Rússia?”

Além desta questão, o autor coloca várias outras: o que acontecerá se algum país não quiser obedecer às regras existentes? Pode acontecer, diz ele, que a “febre do Ártico” venha a ser agravada pela falta de compreensão das intensões de outras partes.

Nikita Lomagin, professor de ciência política da Universidade de São Petersburgo, respondeu às questões colocadas pelo autor.

“Ao instalar forças adicionais no Ártico, a Rússia só quer garantir a segurança das suas fronteiras norte – inclusive face às ameaças provenientes da América, que, em casos duvidosos, nem admite nenhumas fronteiras”, notou.

Fonte: Sputnik.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||