Por que uma guerra entre Irã e Arábia Saudita pode empobrecer o mundo?

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

11 de novembro de 2017.

 

Um conflito armado entre a Arábia Saudita e o Irã teria um grande impacto nos mercados do petróleo e na economia global, segundo analistas. Uma guerra entre as duas potências do Oriente Médio afetaria imediatamente os preços do petróleo bruto em todo o mundo.

Se ocorrer um conflito armado entre os dois países, os preços do petróleo poderiam aumentar 500%.

"Os preços da energia dependerão seriamente da gravidade do conflito. Lembremo-nos do Curdistão iraquiano não reconhecido, que em um estado de guerra contínua exportou cerca de 550 mil barris por dia através da Turquia. Neste contexto, podemos esperar um aumento do pânico no preço do petróleo para US$ 150-US$ 200 no primeiro dia do conflito", disse Mikhail Mashchenko, analista da rede social para investidores eToro, em entrevista à RT.

"Se os sauditas e o Irã atacarem as instalações de petróleo um do outro, os preços do petróleo podem subir de US$ 300", continuou o especialista.

Ivan Karyakin, analista de investimentos da Global FX, ressalta que a área de conflitos possíveis bombeia um terço do petróleo global. Arábia Saudita, Iraque, Irã, Emirados Árabes Unidos, Kuwait, Omã e Catar produzem em conjunto cerca de 28 milhões de barris por dia, o que é um pouco menos de 30% da produção global.

Segundo ele, os preços subirão imediatamente para US$ 150-180 por barril em caso de conflito.

"Então tudo dependerá da duração do conflito. O mercado mundial sobreviverá dois ou três dias do conflito. Se o conflito dura uma semana, os preços aumentarão para US$ 200 ou mais, e isso terá consequências a longo prazo, à medida que os estoques diminuirão", explicou Karyakin.

O analista insiste que uma guerra entre Riad e Teerã é improvável, já que não é do interesse da Rússia e da China. "A Rússia é parceira de muitos países em conflito no Oriente Médio. O maior importador de petróleo é a China, que diante dos maiores riscos em caso de aumento dos preços do petróleo, usará toda a sua influência no Irã e nos EUA para evitar um conflito", afirmou.

Uma guerra no Oriente Médio será muito pouco rentável para os importadores, de acordo com Ivan Kapustiansky, analista da Forex Optimum. "Em caso de guerra, os mercados podem perder cerca de 20% do suprimento mundial. Em primeiro lugar, é claro, os maiores importadores serão afetados. Estes incluem os EUA, a China, o Japão, bem como a zona do euro, de fato, as principais locomotivas da economia mundial", ponderou.

Tanto a Arábia Saudita quanto o Irã compreendem o quão crucial é o petróleo para suas economias e tentarão manter a produção mesmo em caso de conflito, diz Andrey Dyachenko, chefe do Departamento de Soluções Privadas do Departamento de Família da Rússia, na Rússia e na CEI.

"Mesmo uma queda temporária da participação de mercado significará que outras nações como os EUA ocuparão seu lugar. E eles não poderão recuperar suas partes de mercado. Portanto, se tal conflito acontecer, tanto a Arábia Saudita como o Irã farão todo o possível para continuar a produzir e fornecer o máximo possível", disse ele.

O que acontecerá com a economia global

Um salto acentuado nos preços do petróleo e outros hidrocarbonetos ameaçará a estabilidade de toda a economia global, pois levará a um aumento da inflação, adverte Dyachenko. "No momento de taxas de crescimento relativamente baixas, um salto significativo na inflação levará ao empobrecimento de grande parte da população mundial", acrescentou.

Tanto os produtores como os importadores serão forçados a reduzir os preços para evitar isso, de acordo com Dyachenko.

Guerra não é lucrativa tanto para os sauditas quanto para o Irã

As relações entre Riad e Teerã já viram piores momentos do que agora, assegura Petr Pushkarev, analista-chefe da TeleTrade. A revolução iraniana de 1978-79 e a morte dos iranianos durante a peregrinação do Hajj em 1987, que levou à separação das relações diplomáticas entre o Irã xiita e a Arábia Saudita sunita durante três anos, foram um maior teste de estresse para os países.

"Para os próximos anos, a própria Arábia Saudita está muito ocupada com projetos tecnológicos e inovadores para substituir as receitas do petróleo perdido. Eles não estão prontos para conflitos armados em grande escala com seus vizinhos agora, o que seria muito oneroso e muito impróprio no momento em que o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman está intensamente concentrando o poder em torno de si mesmo. Talvez a presença de um inimigo externo como o Irã possa atender ao seu propósito, mas apenas no conflito mediado no território do Iêmen ", disse Pushkarev.

De acordo com o Mikhail Mashchenko da eToro, a guerra não é rentável para a Arábia Saudita e para o Irã. "Os sauditas, apesar de se sentirem mais confiança do que seus vizinhos orientais, têm um déficit orçamentário de 10% do PIB. Teerã só começou a aumentar as exportações de petróleo após um levantamento parcial das sanções", disse ele à RT.

A maioria dos especialistas concorda que um conflito entre a Arábia Saudita e o Irã será limitado às guerras patrocinadas, como as que acontecem no Iêmen e na Síria. A situação é comparável às guerras por procuração da Guerra Fria entre os Estados Unidos e a União Soviética.

Fonte: Sputnik

https://br.sputniknews.com/oriente_medio_africa/201711159844586-guerra-ira-arabia-saudita-consequencias-video/

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||