Populares acusam exército nacional de massacre na RDC

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

18 de agosto de 2016.

A falta de segurança em Kivu Norte, palco do massacre de Beni, levou a protestos por parte da população. Muitos apontam ao exército nacional a autoria da matança.

Na quarta-feira 17 de agosto, as forças de ordem congolesas carregaram sobre centenas de manifestantes, naquele que foi o último dia de luto nacional em memória do massacre de dezenas de civis por rebeldes ugandeses no fim de semana.

A polícia e os militares congoleses reprimiram com gás lacrimogéneo e tiros para o ar os manifestantes que, em Beni, no leste da República Democrática do Congo, protestavam contra a falta de segurança na província de Kivu Norte.

Nos protestos foram queimadas várias bandeiras da força partidária presidencial, o Partido do Povo para a Reconstrução e a Democracia, assim como uma efígie do presidente congolês, Joseph Kabila. Pelo menos seis manifestantes foram detidos, segundo informações da agência de notícias francesa France Presse.

Dor e muitas lágrimas

Dezenas de familiares começaram, entretanto, a enterrar as vítimas do ataque atribuído aos rebeldes ugandeses das Forças Democráticas Aliadas (ADF), no sábado, 14 de agosto. O sentimento na região é de tristeza, como se percebe pelas palavras de Theodore Masaka, presidente da câmara de Butembo. "Viemos a Beni para apresentar as nossas condolências ao presidente da câmara pelas pessoas que perderam a vida, mas também aos populares desta cidade e de todo o país".

Tanto Beni como os arredores têm sido palco de uma série de massacres que já mataram mais de 650 pessoas desde outubro de 2014. A última matança aconteceu na noite de sábado para domingo, com 51 civis mortos em bairros a norte de Beni, perto do parque de Virunga, refúgio de rebeldes ugandeses das Forças Democráticas Aliadas. Numa visita relâmpago a Beni na terça-feira (16/08), o primeiro-ministro congolês Augustin Matata foi vaiado pela multidão que pediu a sua demissão.

Quem são os autores do massacre?

O governo congolês e a missão da Organização das Nações Unidas no país atribuem os ataques aos rebeldes ugandeses. Esta versão é posta em causa por especialistas e testemunhas locais que culpam os soldados nacionais. Segundo vários relatos de populares, os atacantes usam fardas do exército regular. Por esse motivo, as Forças Armadas tomaram a decisão de alterar os uniformes das brigadas locais, como explica o general Marcel Mangu: "Não é a roupa das Forças Armadas da República Democrática do Congo que vai mudar, é a cor das fardas dos soldados que operam na Região de Kivu do Norte".

Fonte: DW.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||