Pentágono afirma que ações da Rússia na Síria 'contribuem para continuação da guerra'

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

26 de julho de 2016.

Pessoal técnico militar russo faz manutenção de aviões Su-24 no aeroporto Hmeimim, na Síria

A cooperação entre os militares dos EUA e Rússia na Síria limita-se ao memorando de garantia de segurança de voos, informou o chefe do Comitê Conjunto de Chefes de Estado-Maior das Forças Armadas dos EUA, general Joseph Dunford.

Durante um briefing no Pentágono os jornalistas pediram que ele e o secretário de Defesa dos Estados Unidos Ashton Carter comentassem a ideia de cooperação militar russo-americana na Síria nas áreas de troca de informação de inteligência e dados sobre os alvos para realização de ataques.

"Eu penso que vocês sabem que a nossa colaboração com os russos limita-se aos contatos sobre garantia de segurança de voos e dos nossos efetivos", informou.

Segundo ele, o secretário de Estado John Kerry "está discutindo com os russos algumas outras iniciativas".

Porém, confessou o general, ele "tem dificuldade de dizer até que ponto estes planos são realistas sem ter informação concreta nas mãos".

Carter, por sua vez, propôs "ver o que o secretário de Estado pode alcançar para que a Rússia comece a fazer coisas corretas na Síria". Segundo ele, Moscou "apoia o regime sírio o que contribui para a continuação da guerra civil".

"Nós acreditávamos que eles contribuiriam para uma solução política e transferência do poder, assim como para o fim da guerra e para luta contra o extremismo e não contra a oposição moderada", declarou Carter acrescentando que "isso ainda está muito longe".

A operação militar russa na Síria começou em 30 de setembro do ano passado. Aviões e helicópteros da Força Aeroespacial da Rússia estão atacando posições dos militantes do Daesh. O Ministério da Defesa da Rússia sublinhou repetidamente que todos os bombardeios são efetuados em conformidade com os dados da inteligência e são combinados com as autoridades sírias. 

Desde o verão de 2014, uma coalizão de mais de 65 nações ocidentais e árabes sob liderança dos EUA está efetuando ataques aéreos na Síria e no Iraque contra o grupo terrorista Daesh, proibido em muitos países, inclusive na Rússia.

Recentemente apareceram relatos sobre a morte de civis causada por ataques aéreos da coalizão liderada pelos EUA perto de Manbij, controlada pelo Daesh. Na quarta-feira (20) a Coalizão Nacional Síria da Oposição e das Forças Revolucionárias apelou à coalizão anti-Daesh para parar os bombardeamentos no meio dos relatos sobre a morte de "mais de 125 civis".

Fonte: Sputnik.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||