‘OTAN tomou o rumo da violação do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares’

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

11 de março de 2016.

O diretor do departamento para assuntos de controle e não proliferação de armas do ministério das Relações Exteriores da Rússia, Mikhail Ulyanov, acusou a OTAN de ter adotado um longo caminho de violações do Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP).

Em entrevista ao jornal russo Komersant, ele denunciou a intensa atividade dos EUA voltada para a modernização de suas bombas nucleares e a renovação da sua frota de porta-aviões, à qual também aderiram outros membros da OTAN. “Dessa forma, a aliança do Norte tomou o rumo de longo prazo da violação de suas obrigações pelo TNP” – descartou.

“As preocupações relativas a isso, apontadas não apenas por nós, mas também por membros do Movimento dos Países Não Alinhados (MNA), membros da OTAN, são ignoradas. Dificilmente essa postura contribui para o reforço do regime de não proliferação nuclear, cuja importância é sempre tão destacada em Bruxelas e nas capitais de países-membros da OTAN” – destacou Ulyanov.

Moscou já declarou em diversas ocasiões o seu total apoio ao reforço do regime de não-proliferação, como um fator chave do sistema de segurança global.

O Tratado de Não Proliferação de Armas Nucleares (TNP) é um acordo entre Estados soberanos assinado em 1968, vigorando a partir de 5 de março de 1970. Atualmente conta com a adesão de 189 países, cinco dos quais reconhecem ser detentores de armas nucleares: Estados Unidos, Rússia, Reino Unido, França e China — que são também os cinco membros permanentes do Conselho de Segurança da ONU.

Além disso, em 2010, a Rússia e os EUA assinaram o Tratado de Redução de Armas Estratégicas (START-III), que determinou a redução do número de armas nucleares estratégicas para níveis só vistos na primeira década da era nuclear. Segundo Ulyanov, cinco anos após a assinatura deste documento, o número de ogivas nucleares na Rússia diminuiu em mais da metade, de quase 4 mil até um pouco mais de 1,5 mil.

Fonte: Sputnik.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||