OTAN: 'Estamos alarmados com recurso excessivo a exercícios inesperados pela Rússia'

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

20 de dezembro de 2016.

A reunião do Conselho Rússia-OTAN, já a terceira neste ano, que teve lugar nesta segunda-feira (19), deixou visível discordâncias profundas nas posições da Rússia e da Aliança Atlântica quanto à crise ucraniana e assuntos de segurança e defesa, afirmou o secretário-geral da organização, Jens Stoltenberg.

O evento se realizou com a participação dos representantes permanentes na sede da Aliança, em Bruxelas.
 
"A primeira questão que abordamos foi a crise, tanto dentro como ao redor da Ucrânia. Neste sentido, as posições dos [nossos] aliados e da Rússia são completamente diferentes", diz o comunicado de Stoltenberg divulgado após o encerramento da sessão.
 
Segundo ele, os aliados reiteraram "o apoio firme à soberania e integridade territorial ucraniana" e fizeram lembrar que não reconhecem a adesão da Crimeia à Rússia.
 
"A situação no Leste ucraniano continua provocando profunda preocupação. Ao longo dos últimos meses, temos evidenciado um número grande, sem precedente, de casos de violação do regime de cessar-fogo. Os armamentos pesados não foram retirados, os observadores da OSCE continuam sendo alvos [de ataques]", realçou o chefe da OTAN.

Com isso, ele frisou que "os aliados apelaram à Rússia para que use sua influência considerável sobre os militantes, obrigando-os a cumprir plenamente suas obrigações".
 
"Os aliados e a Rússia apoiam lados diferentes. Nosso encontro não significa que regressemos ao mesmo nível de relações. Mas sem discussão não somos capazes de ultrapassar nossas divergências e melhorar o entendimento", disse Stoltenberg.
 
"A OTAN não procura confrontação e não representa uma ameaça. Tudo o que estamos fazendo, inclusive ao reforçarmos nossa presença no Leste da Aliança, tem um caráter defensivo, é adequado e corresponde aos nossos compromissos internacionais", destacou o secretário-geral. "O objetivo da OTAN continua sendo a proteção dos aliados, a prevenção dos conflitos e preservação de paz", resumiu.
 
Os representantes oficiais da Aliança Atlântica também afirmaram estar extremamente alarmados com o "recurso excessivo" da Rússia a exercícios militares não anunciados.
 
"Hoje, os aliados expressaram sua preocupação com o recurso excessivo a manobras inesperadas. É [um fator] desestabilizador e não melhora o clima geral das nossas relações", expressou Stoltenberg na sequência da sessão.

Segundo o político, vários participantes da discussão "exigiram que os membros do Conselho contribuíssem para a aprovação das emendas quanto a exercícios e atividades militares no documento da OSCE assinado em Veneza".
 
Ele também comunicou que a Rússia contou sobre as suas manobras estratégicas Cáucaso 2016, enquanto a Aliança apresentou seus exercícios de larga escala Trident Juncture 2016.
 
A OTAN ressaltou por várias vezes que está interessada em introduzir emendas ao documento de Veneza da OSCE para ter oportunidade de observar os testes espontâneos da capacidade de combate realizados na Rússia. A parte russa, por sua vez, considera-o como mais uma ameaça à segurança europeia, levando em conta o nível atual da confrontação.
 
Fonte: Sputnik

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||