OSDH denuncia novos ataques russos na Síria com bombas proibidas

"E ouvireis de guerras e de rumores de guerras;..." Mateus 24:6

25 de junho de 2016.

A Força Aérea da Rússia voltou a utilizar neste sábado bombas de fragmentação incendiárias, que são proibidas internacionalmente, em seu ataques aéreos contra várias áreas da província de Aleppo, no norte da Síria, segundo denunciou o Observatório Sírio de Direitos Humanos (OSDH).

O Observatório garantiu que os caças russos bombardearam os bairros de Bustan al Basha e Bani Zaid, no norte da cidade de Aleppo, capital da província homônima, e algumas zonas na cidade próxima de Andan.

Os ataques aéreos com bombas de fragmentação do tipo RBK-500 ZAB 2.5 SM provocaram incêndios em propriedades civis, mas, por enquanto, não se sabe se os mesmos causaram vítimas.

Ontem, o OSDH denunciou pela primeira vez que a Força Aérea da Rússia lançou nas últimas semanas este tipo de bombas em várias províncias do norte da Síria, como Al Raqqa, Aleppo e Idlib.

A Comissão Suprema das Negociações, o principal órgão da oposição síria, pediu ontem à ONU que investigue a utilização de bombas incendiárias e de fragmentação.

Algumas fontes da ONU expressaram preocupação com essas denúncias, mas indicaram que não podem verificar estes relatos por enquanto.

A Rússia é signatária da Convenção da ONU sobre Armas Convencionais, que inclui 113 países e proíbe em seu terceiro protocolo o uso de armas incendiárias contra civis.

Uma arma incendiária, de acordo com essa disposição, é "toda arma ou munição concebida primordialmente para incendiar objetos e causar queimaduras nas pessoas através da ação das chamas, do calor ou de uma combinação de ambos, produzidas pela reação química de uma substância que alcança o alvo".

A Rússia é uma tradicional aliada do governo de Damasco e iniciou uma campanha de bombardeios na Síria no final de setembro, em sua primeira intervenção militar direta no conflito no país árabe.

Em dezembro do ano passado, a ONG Human Rights Watch (HRW) afirmou em um relatório que os exércitos russo e sírio tinham utilizado bombas de fragmentação em pelo menos 20 ocasiões desde o começo de sua operação conjunta na Síria.

O Kremlin negou as acusações da HRW e afirmou que suas operações na Síria seguem as normas estabelecidas pelo direito internacional, incluídas aquelas que proíbem determinados tipos de armas. 

Fonte: EFE.

voltar para Guerras

fwR fsN tsY show center|left tsN fwR|show fwR center|bnull||image-wrap|news login uppercase b01 bsd|fsN fwR uppercase b01 bsd|b01 c05 bsd|login news fwR uppercase b01 bsd|tsN fwR uppercase b01 bsd|fwR uppercase|content-inner||